Ítalo Ferreira celebra conquista do ouro no surf, a primeira do Brasil em Tóquio. Foto: Francisco Seco

Ítalo Ferreira é campeão olímpico no surfe

Ítalo Ferreira é o primeiro campeão olímpico da história do surfe. O brasileiro alcançou o feito na madrugada desta terça-feira e levou a medalha de ouro ao superar o japonês Kanoa Igarashi na final da modalidade nas Olimpíadas de 2020, realizada na praia de Tsurigasaki, por 15,14 a 6,60, concluindo uma participação praticamente perfeita na disputa. Na bateria decisiva, deu um show de manobras, mesmo após ter sua prancha quebrada logo no começo da bateria. 

A conquista faz Ítalo se consolidar como um dos grandes nomes da história do surfe na atualidade. Afinal, além de ser o primeiro medalhista olímpico de ouro da modalidade, também é o último campeão mundial, em conquista assegurada em 2019 – em função da pandemia do coronavírus, o campeonato não foi realizado no ano passado.PUBLICIDADE

Gabriel Medina, outro brasileiro candidato ao pódio, ficou sem medalha depois de perder para Igarashi na semifinal e para o australiano Owen Wright na disputa pelo bronze. 

‘Entrei sem pressão’, diz Ítalo

“Eu vim com uma frase para o Japão: diz amém que o ouro vem. Eu treinei muito nos últimos meses, mas só tenho que agradecer a Deus por tudo isso, realizou o meu sonho e me deu a oportunidade de fazer o que amo. Meu intuito é ajudar as pessoas e a minha família. Entrei sem pressão na água e consegui o que queria”, disse Ítalo Ferreira, após a conquista, à TV Globo.

“Queria que a minha avó estivesse viva para ver isso. Sou muito feliz pelo que me tornei, pelo que fiz pelos meus pais. Sempre pedi para que esse sonho fosse realizado e ele aconteceu. Almejei bastante e sonhei. A frase que falei está ao lado da minha cama. Todos os dias eu orei às 3h da manhã, pedindo a Deus que realizasse meu sonho”, acrescentou emocionado.

A medalha de Ítalo é a quinta do Brasil nesta edição das Olimpíadas, se juntando às pratas de Kelvin Hoefler e Rayssa Leal no skate e aos bronzes de Daniel Cargnin no judô e de Fernando Scheffer na natação.

A final com prancha quebrada

A bateria decisiva começou com um problema inesperado para Ítalo, que viu a sua prancha se quebrar na sua primeira onda na final. Mas nem esse contratempo parece ter atrapalhado o brasileiro. Ele, afinal, logo conseguiu uma nota 7, emplacando uma série de manobras e batendo forte no topo da onda. Na sequência, ainda obteve um 5,5, abrindo uma boa vantagem. 

Ítalo Ferreira se torna, também, primeiro medalhista de ouro da categoria
Atual campeão mundial de surf, Ítalo Ferreira se torna, também, primeiro medalhista de ouro da categoriaCrédito: Francisco Seco – 27.jul.2021/AP
Ítalo Ferreira em uma das ondas que ele conseguiu dropar na final do surfe
Ítalo Ferreira em uma das ondas que ele conseguiu dropar na final do surfe contra o japonês Kanoa IgarashiCrédito: Francisco Seco – 27.jul.2021/AP
Ítalo Ferreira conseguiu notas 7,77 e 7,37 e ficou com ouro no surfe
Ítalo Ferreira conseguiu notas 7,77 e 7,37 e ficou com ouro no surfeCrédito: Francisco Seco – 27.jul.2021/AP
Ítalo Ferreira surfa onda durante a final olímpica contra Kanoa Igarashi
Ítalo Ferreira surfa onda durante a final olímpica contra Kanoa IgarashiCrédito: Francisco Seco / AP
Kanoa Igarashi, do Japão, desolado após perder ouro no surf para Ítalo Ferreira
O japonês Kanoa Igarashi ficou desolado após perder ouro no surf para Ítalo Ferreira
Crédito: Francisco Seco

E ela ainda seria ampliada. Em uma ótima ação, entrou de backside e atacou o topo da onda. Isso rendeu a ele a nota 7,77. Deixou, assim, Ítalo em vantagem de 14,77 a 5,56, ficando muito próximo de ser campeão olímpico. E o brasileiro não parou de melhorar. 

Ele entrou de backside em outra onda, bateu forte no topo da onda e trocou de nota, por um 7,37. Assim, foi campeão com a vitória na bateria por 15,14 a 6,60, derrotando o algoz de Gabriel Medina nas semifinais. 

A campanha de Ítalo Ferreira

Em sua trajetória nas Olimpíadas, Ítalo triunfou na primeira fase em uma bateria com três outros três surfistas, obtendo 13,67 pontos de 20 possíveis, conseguindo o melhor somatório entre todos os participantes dessa etapa. E isso se repetiria nas oitavas de final, quando passou pelo neozelandês Billy Stairmand, e nas quartas, contra o japonês Hiroto Ohhara. Nessa fase, inclusive, conseguiu a melhor onda do campeonato – 9,67. Já nas semifinais, venceu o australiano Owen Wright.  

Em 2021, Ítalo ganhou uma das seis etapas do Circuito Mundial de Surfe, em que ocupa o segundo lugar no ranking. Agora, então, ampliou a sua trajetória vitoriosa no esporte como campeão olímpico, uma caminhada iniciada de modo improvisado, surfando na tampa de isopor que o seu pai usava para conservar o pescado em Baía Formosa, no Rio Grande do Norte. 

*CNN Brasil

Confira também

Lutadores de MS buscam medalhas no Nacional de Equipes de Jiu-Jitsu Desportivo

Pelo sétimo ano consecutivo, Mato Grosso do Sul marcará presença em um evento da Confederação …