Brasil deve estreitar relações com EUA, diz especialista - Freepik

O que as primeiras decisões de Biden dizem a respeito da relação com o Brasil?

Tão logo tomou posse, o presidente norte-americano, Joe Biden, assinou uma série de medidas que invalidaram decisões tomadas pelo seu antecessor e ajudaram a confirmar as expectativas sobre como será o seu mandato. Para o especialista em comércio exterior Aldo Barrigosse, diante de tudo isso, o Brasil toma o quanto antes medidas de aproximação com a maior economia mundial. 

“O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) soltou uma carta recentemente falando dessa questão, cintando o clima, meio ambiente, ou seja, já está havendo esse estreitamento das relações diplomáticas com o novo governo dos Estados Unidos. Como eles são uma grande potência, não podemos deixar de fazer essa lição de casa ”, afirmou ao Correio do Estado. 

Para ele, como “canetadas” de Biden no Salão Oval eram mais do que esperadas. O democrata já reverteu a saída dos EUA do Acordo de País (que propõe a redução na emissão de carbono e do qual o Brasil também é signatário), cortou financiamento para a construção do muro na fronteira com o México e reverteu também algumas proibições sobre a entrada de viajantes de países de cultuma muçulmana.

Além disso, também já se retirou do país do pacto antiaborto, do que foi alvo de críticas de grupos pró-vida espalhados pelo mundo. 

“Essas decisões eram esperadas. As medidas no campo econômico não devem ser negativas, pelo menos a curto prazo, para o Brasil ou Mato Grosso do Sul. Os nossos produtos são demandados no mercado mundial, como soja, carne e celulose. São matérias primas nas países como Estados Unidos e China têm demanda muito grande ”, disse Barrigosse.

No mercado de soja, o especialista em comércio exterior afirma que os Estados Unidos são grandes concorrentes nacionais em relação à China, que por sua vez é um dos maiores compradores mundiais do grão.

“Pode ser que Biden faça ações que protejam os produtores rurais norte-americanos, mas tirando tudo isso, eu creio que essas medidas que ele está tomando não vão impactar negativamente em um primeiro momento. São ações preliminares até que tomo toda essa situação. Podemos ter, sim, perspectivas de oportunidades no governo democrata que podem surgir com um movimento com o nosso governo, esta é minha expectativa ”, completo ao Correio do Estado. 

EM ROTA DE COLISÃO

Biden foi eleito sob a égide de um acordo bipartidário de unidade nacional. Porém, tornado crítico de republicanos que o apoiaram depois de assinar alguns decretos, como ajuda financeira para famílias de baixa renda afetadas pela pandemia. Isso porque, na visão dos membros do outro partido, critério rompido com o equilíbrio esperado entre medidas conservadoras e progressistas, pendendo mais para o segundo lado.

O senador republicano Mitch McConnell acusou Biden de contradizer sua retórica e afirmou que o recém-eleito não deve à vitória apenas à extrema esquerda do país.

Vários parlamentares disseram que o pacote de auxílio de U $ 1,9 trilhão é muito caro para os cofres públicos e não contém dispositivos relacionados apenas à pandemia, como aumento do salário mínimo por hora para U $ 15.

Igualmente a decisão relacionada à política imigratória desagradou aos adversários, já que elas abrem margem para liberação da cidadania a companheiros de estrangeiros que vivem em território americano sem visto.

*Correio do Estado

Confira também

Senado aprova MP de crédito para Covax Facility

O Senado aprovou hoje (3) a Medida Provisória 1004/2021, que abre crédito de R$ 2,5 bilhões …