Home / Estado / MS terá operação de guerra para enfrentar o coronavírus

MS terá operação de guerra para enfrentar o coronavírus

Com a previsão da aceleração de casos graves da Covid-19 nos próximos dez dias, as autoridades de saúde de Mato Grosso do Sul montaram uma operação de guerra para atender os pacientes com complicações graves causadas pelo novo coronavírus. Com a adaptação de leitos de quartos e enfermarias e com a improvisação de novos, o total de unidades de tratamento intensivo no Estado aumentará 44% no período.

Conforme levantamento da Secretaria Estadual de Saúde e do Ministério Público Estadual, atualmente são 513 leitos de unidade de tratamento intensivo em Mato Grosso do Sul. Nos próximos dez dias, esse número saltará para 227. Em Campo Grande, cidade com a maioria dos casos da Covid-19 no Estado, também ficarão a mair parte destes leitos.

Uma parcela dos 227 novos leitos de UTI será adaptada dos 5.596 leitos que Mato Grosso do Sul têm na atualidade, conforme dados do DataSus. Deste total, 2.220 estão em Campo Grande. Mais da metade dos leitos da Capital (1.317) pertence à rede pública.

O Ministério da Saúde projeta que o volume de pessoas contagiadas chegue a 22 mil pessoas nos próximos dez dias no Estado. Como uma média de 5% dos infectados com a Covid-19 precisam de internação intensiva, se todos precisarem de leitos de UTI, seriam necessários 1,1 mil para atender a demanda.

No Hospital Regional de Campo Grande, está sendo preparado o quartel-general para atender os pacientes com o novo coronavírus. Ontem à tarde, as tendas ainda estavam em fase de montagem.

No fim de semana, conforme o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, 140 pacientes começaram a ser transferidos: 100 para a Santa Casa e 40 para os hospitais Universitário e do Pênfigo. Um gestor hospitalar da rede privada informou que os pacientes crônicos que podem ficar internados em casa com o acompanhamento familiar ou de enfermeiros também estão sendo liberados.

PLANO B

O aumento de leitos de UTI nos hospitais de Mato Grosso do Sul seria o plano A no combate aos danos causados pelo novo coronavírus. O plano B, conforme o Correio do Estado apurou, também seria a ampliação dos hospitais de campanha das Forças Armadas.

O assunto já foi tratado entre autoridades do Executivo e militares do Exército Brasileiro, da Força Aérea e da Marinha.

PLANO C

Se ainda assim a demanda por atendimento continuar alta, as autoridades de saúde de Campo Grande têm dois locais à disposição para receber os pacientes. A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul já ofereceu o Morenão para transformar suas instalações em hospital. A Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems) também disponibilizou as instalações do Centro de Convenções Albano Franco, no Bairro Carandá Bosque.

*Correio do Estado

Confira também

Prefeito de Milão se arrepende de pedir para cidade não parar

O prefeito de Milão, Giuseppe Sala, admitiu ontem que “errou” ao pedir à cidade que …