Home / Mundo / Facebook apaga páginas que divulgavam fake news na Itália
Rede internacional de ativistas Avaaz afirmou ter conduzido uma investigação e encontrado 23 páginas italianas no Facebook que espalhavam informações falsas (Dan Kitwood/Getty Images)

Facebook apaga páginas que divulgavam fake news na Itália

Facebook tirou do ar perfis e páginas da Itália que divulgavam informações falsas, discurso de ódio e propaganda política antes das eleições parlamentares da União Europeia (UE). A medida levou a oposição italiana a convocar uma reunião extraordinária para debater leis mais rígidas para conter a desinformação online.

“Nós removemos várias contas falsas e duplicadas que estavam violando nossas políticas de autenticidade”, disse o Facebook em um comunicado no domingo 12.

A rede social também deu fim a páginas que estavam postando fake news, bem como algumas que tinham começado como perfis não políticos, mas passaram a difundir propaganda eleitoral.

A decisão do Facebook foi anunciada depois que a rede internacional de ativistas Avaaz afirmou ter conduzido uma investigação e encontrado 23 páginas no Facebook que espalhavam informações falsas, como citações inventadas e anti-imigração.

A organização apontou que as páginas em questão tinham cerca de 2,5 milhões de seguidores no total.

Mais de uma dúzia de páginas apoiava os partidos italianos de extrema direita Liga e Movimento 5 Estrelas. As duas legendas formam a coalizão que governa a Itália atualmente.

Projeto de lei

Em resposta à decisão da rede social, senadores da oposição na Itália, incluindo o ex-primeiro-ministro Matteo Renzi, disseram que, em breve, apresentarão ao Parlamento uma proposta de lei para prevenir de forma mais adequada e combater de maneira mais eficaz notícias falsas.

Por volta de 40 legisladores assinaram um comunicado dizendo que as notícias sobre o fechamento das páginas “mostram a urgência de uma intervenção do Parlamento”.

Em entrevista nesta segunda, Renzi afirmou que também pretende solicitar a abertura de uma comissão parlamentar de investigação para apurar a origem e o impacto das fake news nas últimas campanhas eleitorais do país.

“O Facebook se tornará um recurso civil apenas quando todos puderam comentar somente com seu próprio nome e sobrenome, não tendo acesso a perfis e páginas falsa”, afirmou o ex-premiê que hoje ocupa o cargo de senador.

Segundo o jornal La República, Renzi também atacou diretamente o Liga, afirmando que parte do fundo eleitoral do partido foi usado para pagar propaganda focada em informações falsas.

Já o líder do partido de extrema direita e ministro do Interior, Matteo Salvini, minimizou o impacto das páginas falsas. “Há tantas notícias falsas, mesmo em jornais oficiais”, disse Salvini, afirmando que “garantirá que as eleições sejam regulares”.

Ele acrescentou que o Facebook “faz o seu trabalho e faz bem”. “O que me interessa é que as eleições sejam claras, transparentes e bem organizadas ”. afirmou.

*Com Estadão Conteúdo

Confira também

PIB da China desacelera: menor em 27 anos

O crescimento econômico da China desacelerou a 6,2% no segundo trimestre, ritmo mais fraco em …