Clientes aguardam atendimento em banco da Capital. - Foto: Divulgação/Procon

Sete agências bancárias da Capital são autuadas por demora no atendimento

Fiscalização realizada os últimos dias 2 e 4 de janeiro pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor  (Procon), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), terminou com sete agências bancárias de Campo Grande autuadas. A ação foi realizada a partir da grande quantidade de denúncias enviadas por consumidores.

Entre as principais irregularidades flagradas estavam aquelas que dizem respeito ao cumprimento de leis que fixam o tempo para  atendimento aos clientes que, de acordo com a Lei Estadual 2.085/00 é de, no máximo, 15 minutos, mesmo tempo fixado pela Lei Municipal 4.303/06 que estabelece, também, alguns casos de flexibilização, chegando a 25 minutos em véspera e no dia posterior a  feriado prolongado.

De acordo com nota divulgada pelas assessoria de imprensa do Procon, no Banco Santander, a  equipe esteve nas agências das ruas Marechal Rondon, Dom Aquino e Barão do Rio Branco. Nos três locais foi confirmado o descumprimento do tempo previsto, o que, em alguns casos  foi superior a 35 minutos. Além disso, o banco não fornece senha eletrônica na qual conste horário de entrada e saída dos clientes que são atendidos nas mesas, serviço para o qual  não existe atendimento prioritário, como determinado em Lei Federal.

Nas agências da Caixa Econômica federal das ruas Barão do Rio Branco e  13 de Maio, o problema foi ainda maior. Houve caso em que o cliente foi obrigado a esperar por atendimento durante uma hora e 16 minutos.  Também nesses estabelecimentos as senhas oferecidas registram eletronicamente, apenas, a hora de chegada do usuário e, com isso, dificultam  a comprovação da espera quando decidem registrar reclamação.

Duas agências do Banco Bradesco, na Avenida Calógeras e Cândido Mariano, também receberam a fiscalização. Nesse caso,  o excesso de espera se repetiu e foi constatada outra irregularidade. Não é respeitada a prioridade para idosos, portadores de necessidades especiais,  gestantes e mães com crianças no colo e para autistas. No caso, a prioridade é para clientes classificados com “Prime” e “Exclusive” que são tratados pelos funcionários de maneira  privilegiada. Só depois desses clientes é dado atendimento aos que têm direito, por lei, à prioridade.

Nas agências onde a fiscalização atuou não foram encontradas cópias da Lei Estadual e do Código de Defesa do Consumidor. Nos estabelecimentos deveria estar fixado, de forma visível,  aviso de proibição do uso de aparelhos de telefonia celular, o que não se verificou, se constituindo em mais uma infração. Os responsáveis pelas agências em questão foram autuados tendo sido expedidos autos de Infração e dado prazo para defesa após o que poderá ser arbitrada multa.

*Correio do Estado

Confira também

Em Bela Vista, estrada das Caieras recebe os primeiros quilômetros de asfalto

Essa semana nossa redação esteve em um dos trechos do asfalto da estrada das Caieras. …