Galeria foi levada pela chuva e trecho da via, inaugurada em dezembro de 2011, corre risco de desmoronamento - Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado

Pivô da Lama Asfáltica, obra de R$ 21 mi pode desmoronar

Inaugurada em 2011 e um dos pivôs da Operação Lama Asfáltica, da Polícia Federal, a Avenida Lúdio Martins Coelho – que custou R$ 21,3 milhões aos cofres públicos – corre risco de desmoronamento. Nesta semana, trecho da pista que margeia o Córrego Lagoa, localizado entre os Bairros União e Caiçara, região oeste de Campo Grande, ficou ainda mais ameaçado pela erosão. Se o córrego continuar captando os sedimentos levados a cada chuva, parte do asfalto poderá desmoronar e comprometer a segurança dos motoristas. Desde que foi inaugurada, em 17 de dezembro de 2011, a via tem histórico de buracos e incorreções na pista.

Quando a Operação Lama Asfáltica foi desencadeada, em 9 de julho de 2015, a via ainda estava no período de garantia. O trecho sob ameaça de desmoronamento integra o lote do Complexo Lagoa licitado pela Agência Estadual de Infraestrutura (Agesul). A empreiteira responsável pela obra é a Proteco, que pertence ao empresário João Amorim, preso desde 8 de maio deste ano, justamente por causa das acusações da Operação Lama Asfáltica.

OBRA DO PAC

A obra da Avenida Lúdio Martins Coelho custou R$ 21,3 milhões aos cofres públicos – maioria dos recursos de origem federal, via Programa de Aceleração do Crescimento. Na contratação da obra, a Polícia Federal viu fraude em licitação e ainda “sobreposição de serviços”. Os pagamentos indevidos por causa das supostas fraudes no contrato da obra chegaram a R$ 475.547,69, e os serviços, que o Ministério Público Federal considerou “desnecessários” na construção da via, geraram um prejuízo de R$ 4,4 milhões aos cofres federais.

*Correio do Estado

Confira também

Em Bela Vista, estrada das Caieras recebe os primeiros quilômetros de asfalto

Essa semana nossa redação esteve em um dos trechos do asfalto da estrada das Caieras. …