Home / Capital / ‘Ilhados’ pelo asfalto finalmente terão ruas pavimentadas em Campo Grande
Rua Tabira, no Jardim Tijuca, será uma das contempladas com drenagem e asfalto - Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado

‘Ilhados’ pelo asfalto finalmente terão ruas pavimentadas em Campo Grande

Moradores “ilhados” entre ruas com asfalto finalmente terão as vias de casa pavimentadas pela Prefeitura de Campo Grande no bairro Tijuca. Uma emenda do deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM) garantiu R$ 919 mil para a obra em 2016, mas a verba não foi utilizada pelo então prefeito Alcides Bernal (PP).

“Conseguimos recuperar essa emenda. Todo trabalho de recuperação de emendas e verbas de Brasília causa um estresse enorme, não apenas aos técnicos da prefeitura como também da população. São direitos determinados e não honrados”, comentou o prefeito Marcos Trad (PSD).

As ações vão contemplar as ruas Cabo Verde, Visconde de Suassuna, Tabira, Alfredo Lisboa, Mona Lisa e Diogo Álvares, que segundo a prefeitura, são as últimas da região sem asfalto. São cerca de dois quilômetros de obras de pavimentação e drenagem, além da sinalização horizontal e vertical.

Dos R$ 919.569,76 que serão investidos, R$ 117 mil serão de contrapartida da prefeitura da Capital. Segundo o secretário de Infraestrutura, Rudi Fioresa, a trâmite burocrático deve durar pelo menos oito meses até que as obras comecem de fato.

“Nós assinamos o contrato com a Caixa Econômica agora e temos um prazo de oito meses para apresentar projetos e licenças ambientais. Depois disso vamos licitar, que não temos controle de prazo e só depois começar a obra física”, detalhou. A previsão da prefeitura é que até o fim do ano que vem a obra seja concluída.

TEATRO OCTÁVIO GUIZZO
Ainda conforme o prefeito, essa é a terceira emenda que a prefeitura consegue recuperar e que estavam prestes a terem a verba perdida. “Graças a Deus nós conseguimos a liberação das emendas do teatro municipal Octávio Guizzo, conseguimos a liberação do Jardim Botafogo e agora uma boa parte do Tijuca. Essa última etapa de liberação assinada pela Caixa e Prefeitura gira em média de R$ 1,7 milhão, sendo quase R$ 1 milhão para o asfaltamento do Tijuca e R$ 700 mil para a reforma do teatro que está há 33 anos fechado. Aliás é a única capital que não tem teatro municipal”, ressaltou o prefeito.

*Correio do Estado

Confira também

Selvíria tem o segundo maior PIB per capita do Brasil

Cinco municípios de Mato Grosso do Sul, todos situados na Costa Leste do Estado, estão …