Home / Política / AMPLA VISÃO: Políticos – ontem bajulados, hoje rejeitados

AMPLA VISÃO: Políticos – ontem bajulados, hoje rejeitados

INCONVENIENTES É passado o tempo em que os políticos apareciam em locais públicos e eram bem vistos – atraindo a atenção e alvos de manifestações de afago dos presentes. Com o clima de indignação reinante, dependendo do local ou ambiente, os ‘ilustres’ agentes públicos correm o risco de simplesmente serem ignorados, tratados com indiferença ou até ironizados com palavras e gestos.

SEGUNDO dados coletados em pesquisas da empresa Ibrape de Campo Grande, a presença dos políticos é reprovada/rejeitada no Mercado Municipal e nas feiras livres dos nossos bairros por 88% dos seus frequentadores. No comércio a rejeição é de 68%. Já nas igrejas o quadro é ainda pior e a desaprovação da presença deles bate na marca dos 90% dos fiéis presentes. Números que justificam a manchete da coluna.

ENFIM… Esse clima de tolerância zero é reflexo do Brasil em que vivemos, fruto das mazelas dos nossos administradores, da classe política e também da estrutura utópica edificada na complexa e absurda Constituição, onde o povo paga conta. Aqui se tece louvores a democracia – sem atentar ao sistema viciado que reina nos 3 poderes.

EXTREMO A relação do povo com a classe política é tamanha que a desconfiança passou a ser a marca quanto a discutível competência sua. Ao ver uma obra concluída pelo poder público, por exemplo, o cidadão não questiona a utilidade dela – mas sim a vantagem financeira ( propina) em prol do gestor. Essa postura do povo é extensiva em todos os níveis da administração pública.

IMPOSSÍVEL esconder. O sistema atual permite gastos monstruosos do Executivo, Legislativo e Judiciário que revoltam a população. Os salários, a estrutura funcional, as mordomias, aposentadorias e as brechas para vantagens – é um acinte para os demais brasileiros e ao aposentado miserável. Esse é o regime democrático ideal? Caviar aos privilegiados e migalhas aos demais?

A PROPÓSITO: Não vejo em nenhum dos pretensos candidatos ao Planalto o discurso de mudanças de verdade do sistema. Evidente que se ousarem neste ponto não terão apoio partidário e dos políticos. São portanto pré-candidaturas comprometidas. Aí voltaremos na velha tese de que ‘as coisas mudam para ficar como estão’.

DIREITOS Quando se questiona tudo isso, as respostas dos privilegiados vem embasadas no argumento de que ‘tem direito por lei, enfim – que é legal’. Mas a explicação é simples: as leis aprovadas no Congresso, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais são em proveito próprio, divorciadas dos interesses do povo. Veja o custo mensal do vereador, deputado e senador. E qual é o benefício pra você?

REFORMAS? Pra que? O pessoal dos 3 Poderes adota aquela postura do personagem Justo Veríssimo (“Eu quero é me arrumar!”) e não quer sair da zona do conforto. Se a tímida reforma da Previdência foi um parto, imagine as outras necessárias! Em breve o país trabalhará para pagar aposentadorias e custear o funcionalismo. E esse é o Brasil que queremos?

RUBEM ALVES: “A presença de ratos na vida pública brasileira é evidência que o nosso povo não soube pensar, não sabe identificar os ratos. E não sabendo, o povo inocentemente abre os buracos pelos quais os ratos entrarão. Uma sociedade democrática entre lobos é possível porque existe equilíbrio de poder entre os lobos. Mas não é possível a sociedade democrática onde haja lobos e cordeiros. Os lobos sempre vão devorar os cordeiros…” Pelo visto, neste episódio da greve, os caminhoneiros acabaram virando os cordeiros.

‘A CAMINHO DO BREJO’ “…Um país vai para o brejo aos poucos, construindo sua desgraça ponto por ponto, um tanto de corrupção aqui, um tanto de demagogia ali, safadeza e impunidade de mãos dadas. Há sinais constantes de perigo, há abundantes evidências de crime por toda parte, mas a sociedade dá de ombros, vencida pela inercia e pela audácia dos canalhas…” ( trecho do texto de Cora Ronai, de 2016)

“O BRASILEIRO quer um país diferente desde que não envolva sacrifícios pessoais. Quer mais Estado e menos impostos. Não é genial? Quer que as coisas mudem, que a corrupção acabe, mas sem mudar o próprio comportamento. A gente se acha malandro tirando onda de gringo otário. Quem são mesmo os otários?” ( do texto ‘O pior do Brasil é o brasileiro’ – de Mariliz Pereira Jorge)

O BRASIL mudou após a greve dos motoristas, convictos da sua força. Mostrou o apelo aos militares, o país vulnerável e refém do petróleo e rodovias que só beneficiam empreiteiras e a indústria automobilística. Mostrou um Governo dúbio, representado pelo ministro da Secretaria da Presidência da República Carlos Marun (MDB) ao estilo ‘Pit bull’ famoso na defesa do ex- deputado Eduardo Cunha (MDB) e do presidente Michel Temer (MDB). Quebrou a cara.

A LIÇÃO: Quem leu sabe: Gandhi conduziu a população da Índia para se libertar do Império Britânico sem dar um tiro, optando pela inação – fenômeno conhecido como “aimsha”, ou seja – a passividade com ordem. Imagine os caminhoneiros com um líder que pensasse mais distante, o Governo teria caído e o país arruinado. A próxima greve pode ser fatal, pois os militares não matarão os peões da estrada. É o aviso.

CHAMINÉS DA FÉ A recessão não é ampla, geral e irrestrita em Campo Grande. As igrejas evangélicas já somam 75 nomenclaturas – apenas aquelas com CNPJ e legalmente constituídas, isentas de tributos diversos. As Pentecostais lideram seguidas pelas Neo-Pentencostais. Na capital em 4 anos os evangélicos saltaram de 26% para 33% da população. Uma força eleitoral expressiva.

SUCESSÃO Comentários no saguão da Assembleia Legislativa: Cícero de Souza (PR) – ex-deputado estadual – seria o companheiro de chapa de Puccinelli (MDB). Mas seria o remédio para reverter a grande rejeição nas pesquisas? Fala-se também: aumentaram as chances de haver delação premiada de um dos presos da ‘Lama Asfáltica’. Se ocorrer o quadro eleitoral vira de cabeça pro ar e a cela ficará pequena.

CONCLUSÃO Ganha força a tese de que a sucessão estadual passaria pelo crivo da justiça federal especificamente. As sentenças condenatórias contra cardeais do alto escalão nacional – confirmadas em instâncias superiores – sinalizam que as exceções da impunidade tendem a diminuir graças inclusive ao forte clamor popular anti-corrupção.

VAPT-VUPT Na conversa com o presidente Júnior Mochi (MDB) ficou clara a disposição dele em pautar e viabilizar na Assembleia Legislativa – a aprovação do projeto do Governo Estadual que baixa o ICMS do óleo diesel. A medida do governador Reinaldo Azambuja(PSDB) é corajosa, ousada até em tempos de vacas magras da economia.

LAMENTÁVEL O ex-deputado estadual Roberto Moaccar Orro (PSDB) que completa 80 anos de idade em julho próximo – convivendo com a perda progressiva da visão. Segundo seu filho, deputado estadual Felipe Orro (PSDB), apesar do tratamento nos Estados Unidos, seu pai conta hoje com apenas 10% da visão. A vida como ela é…

Queremos um Brasil diferente, mas se virem, não ousem me deixar sem mamão formosa.” (Mariliz Pereira Jorge)

Confira também

Prefeito deixa tucanos temerosos com falta de ação

As polêmicas declarações do prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), de não cobrar apoio …