Home / Mundo / Coreia do Norte prepara novo teste de míssil de longo alcance

Coreia do Norte prepara novo teste de míssil de longo alcance

Coreia do Norte fará novo teste balístico de longo alcance com capacidade de atingir a costa oeste dos Estados Unidos, disse um parlamentar russo nesta sexta-feira, segundo a agência de notícias RIA. Anton Morozov, membro do comitê de relações internacionais do Parlamento e dois outros deputados russos visitaram Pyongyang do dia 2 a 6 de outubro, relatou a RIA.

“Eles estão se preparando novos testes de um míssil de longo alcance. Eles até nos deram cálculos matemáticos que eles acreditam provar que o míssil poderia atingir a costa oeste dos Estados Unidos”, disse Morozov, segundo a agência russa. “Até onde sabemos, eles pretendem lançar mais um míssil de longo alcance no futuro próximo. E, no geral, o humor deles é bem beligerante”, completou.

Dois milhões de mortos

Cerca de dois milhões e cem mil habitantes de Seul e Tóquio morreriam caso a Coreia do Norte atacasse as capitais da Coreia do Sul e Japão com armas nucleares. A estimativa é de uma pesquisa conduzida pelo projeto 38 North, centro de estudos sobre assuntos norte-coreanos coordenado pela Escola de Estudos Internacionais Avançados da Universidade Johns Hopkins.

A análise, encabeçada por Michael J. Zagurek Jr., leva em conta a capacidade e a potência estimada do armamento nuclear de Kim Jong-un, tendo como base um arsenal de 20 a 25 ogivas. Os alvos, países aliados dos Estados Unidos na região, estariam dentro do alcance dos mísseis de Pyongyang e, considerando os sistemas de defesa antimísseis de cada um, o pesquisador criou três possíveis cenários, nos quais 20%, 50% e 80% projéteis alcançariam o destino final.

A hipótese mais catastrófica, segundo Zagurek, resultaria em  2,1 milhões de pessoas mortas em Seul e em Tóquio, e mais de 7,7 milhões de feridos. Os números superlativos foram calculados a partir do uso de bombas cuja capacidade destrutiva é similar à utilizada no teste com bomba de hidrogênio realizado pela Coreia do Norte no dia 3 de setembro, cuja potência foi estimada entre 108 e 205 quilotons – as ogivas que atingiram Hiroshima e Nagasaki em 1945 eram de 15-25 quilotons.

“Agente Racional”

Apesar da análise apocalítica apontada no estudo do 38 North e do possível novo teste balístico de Pyongyang, para CIA é pouco provável que um ataque nuclear aconteça.  De acordo com a agência de inteligência americana, o líder norte-coreano, contrariando os adjetivos usados por Donald Trump, que o classificou como “louco”, é um “ator racional”. “Há um propósito claro naquilo que Kim Jong–un tem feito”, disse Yong Suk Lee, vice-diretor-assistente do Centro de Missão para a Coreia, unidade da CIA dedicada a lidar com o país asiático, em conferência organizada pela agência na Universidade George Washington.

“É improvável que Kim acorde em uma manhã e decida atacar com armas atômicas uma cidade como Los Angeles”, disse Young, segundo a CNN. “O que ele quer é governar por um longo período e morrer deitado em paz em sua própria cama”.

“Na verdade, a última pessoa que deseja um conflito na península é Kim Jong-un”, disse Lee. A postura e a retórica beligerante de Pyongyang servem, na análise do oficial, como uma estratégia para que o regime se mantenha no poder, pois “a Coreia do Norte é organismo político que prospera por meio do confronto”. Isso não implica, contudo, que as ameaças de ataque venham a se materializar. “Temos uma tendência aqui nesse país e em outros lugares de subestimar o conservadorismo por trás de regimes autoritários”, explicou Lee.

Na análise do agente da CIA, além de tornar a Coreia Norte um ator de peso na comunidade internacional, “a longo prazo, a meta de Kim é chegar a algum tipo de acordo entre grandes potências com os Estados Unidos, e eliminar a presença dos Estados Unidos da península”.

*Veja

Confira também

Estados Unidos aprovam reforma tributária

O Senado dos Estados Unidos aprovou neste sábado uma ampla reforma tributária, em um grande …