Sejusp investiga se rebelião em Naviraí tem ligação com ações em outros Estados

O secretário de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, José Carlos Barbosa, o Barbosinha, disse hoje (5) pela manhã durante entrega de novas viaturas ao Corpo de Bombeiros de Dourados, que investigará se a rebelião iniciada ontem em Naviraí tem alguma ligação com as ações realizadas pelo Brasil, como em Caruaru (PE), onde seis presos morreram e 11 ficaram feridos.

“Vamos investigar se existe alguma ligação com os casos recentes que têm ocorrido no Brasil. Não há uma maneira de se evitar o início dessas rebeliões, a não ser com ações preventivas”, comentou em entrevista coletiva na sede do Corpo de Bombeiros.

O motim na Penitenciária Estadual da cidade localizada no Sul do Estado terminou com duas pessoas mortas e nove feridos, segundo a Polícia Militar. Foram necessários a intervenção do Choque de Campo Grande e do comando de Dourados para controlar a situação.

A penitenciária ficou parcialmente destruída. Na tarde de quinta-feira, presos atearam fogo em alguns objetos, causando tensão no local.

Após o fim da ação, 50 internos devem ser transferidos da cidade e boa parte deve chegar à PED (Penitenciária Estadual de Dourados).

Inteligência

Ainda durante a coletiva, Barbosinha disse estar em negociação com representantes de Segurança Pública de outros Estados no intuito de garantir núcleos de inteligência na região de fronteira para combater o tráfico de entorpecentes que entram pelo país através do Paraguai e Bolívia.

Eles seriam instalados Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná e também nos maiores mercados consumidores do país, São Paulo e Rio de Janeiro.

A intenção é que cada local tenha 36 homens, divididos em 10 policiais militares, 10 civis, 10 federais e outros seis rodoviários federais que atuariam investigando o narcotráfico e outros ilícitos.

*Douradosnews

Confira também

Mais um caso: motoristas e ajudante são presos transportando cocaína em ônibus em MS

Na tarde de sábado (18), três homens de 44, 54 e 59 anos foram presos …