Enfim, seleção brasileira volta ao Maracanã

Foi no Maracanã, o templo do futebol brasileiro, que a seleção brasileira viveu sua última noite de extrema alegria: há três anos, bateu a superfavorita Espanha por 3 a 0 e se sagrou campeão da Copa das Confederações. De lá para cá, não jogou mais no estádio – não foi ao Rio de Janeiro na Copa do Mundo de 2014, por falha impressionante da organização e também por não ter chegado à decisão, – e também não teve nada a comemorar. Depois do 7 a 1 e de duas eliminações vexatórias na Copa América, o time tem, enfim, uma chance de se redimir no estádio mais famoso do país. Nesta quarta-feira, encara Honduras na semifinal da Rio-2016, às 13 horas (de Brasília), buscando vaga na decisão do próximo sábado, no mesmo local.

Nesta terça-feira, o estádio recebeu 68.000 empolgados fãs na derrota da seleção feminina para a Suécia na semifinal. A expectativa é de lotação total na partida da equipe masculina, algo que não assusta Gabriel Barbosa, o Gabigol. ” Jogar na seleção é isso, pressão muito alta. O Maracanã vai estar lotado e vamos fazer com que essa pressão seja motivante”, afirmou o atacante do Santos, na Granja Comary, em Teresópolis.

“Estamos acostumados com pressão desde pequeno, já disputamos finais e semifinais  desde pequeno. Como o Neymar costuma dizer, a torcida não vai entrar em campo para agredir a gente. Vamos entrar em campo e nos divertir. A torcida não nos dá medo ou terror. Acho que será maravilhoso jogar no Maracanã lotado.”

O técnico Rogério Micale e seus atletas não quiseram revelar se o time que venceu Dinamarca e Colômbia, com quatro atacantes será mantido. A tendência, porém, é que o time seja repetido com Weverton, Zeca, Marquinhos, Rodrigo Caio e Douglas Santos; Walace, Renato Augusto e Luan, Gabriel Jesus, Gabriel Barboa e Neymar.

A surpreendente seleção hondurenha é treinada por um treinador conhecido: Jorge Luis Pinto, colombiano que viveu no Brasil na década de 70 (se diz torcedor fanático do Corinthians) e fez ótima campanha com a Costa Rica na Copa de 2014. Para alcançar nova façanha no Brasil, o treinador aposta na velocidade de seu time, com defesa forte e potência nos contra-ataques.  Na primeira fase, Honduras eliminou a Argélia e a favorita Argentina e depois passou pela Coreia do Sul nas quartas de final.

*Veja

Confira também

Lutadores de MS buscam medalhas no Nacional de Equipes de Jiu-Jitsu Desportivo

Pelo sétimo ano consecutivo, Mato Grosso do Sul marcará presença em um evento da Confederação …