Ao vivo: o segundo dia de julgamento do impeachment

Logo nos primeiros momentos da sessão de julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, o advogado da defesa, José Eduardo Cardozo retirou a ex-secretária de Orçamento Federal Esther Dweck e o professor de direito da UERJ Ricardo Lodi Ribeiro da condição de testemunhas. Eles tornam-se informantes, portanto tudo o que for dito por eles durante o julgamento não terá valor de prova no processo.

O pedido de retirada das testemunhas aconteceu após a advogada de acusação, Janaina Paschoal, criticar a nomeação de Esther e dizer que a ex-secretária  é “uma das mais ferrenhas defensoras de Dilma”. Cardozo alegou que Ribeiro também deve se tornar informante, já que ele foi um dos assistentes de perícia.

A sessão desta sexta-feira está na fase de questões de ordem pedidas pelos senadores, réplicas e fala dos advogados.

A etapa desta sexta seguirá o mesmo rito do primeiro dia de julgamento. O presidente do Supremo Tirbunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que preside a sessão, os senadores e advogados de defesa e acusação questionarão, nesta ordem, as testemunhas. A sessão poderá ser interrompida por trinta minutos a cada quatro horas e terá dois intervalos de uma hora.

As testemunhas de defesa que permanecem são: o ex-secretário-executivo do Ministério da Educação Luiz Cláudio Costa, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, o ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa e o professor de direito da UFRJ Geraldo Prado. A primeira testemunha que deve ser ouvida é o economista Belluzo.

*Veja

Confira também

De Iphones a notebooks: veja como participar do leilão com mais de 61 mil itens do Correios

Após várias tentativas de entregar uma encomenda e terminado o prazo de direito à reclamação, …