Ex-aluno é identificado como autor de assassinato na Universidade da Califórnia

William Klug, professor de Engenharia Mecânica e Aeroespacial na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), foi identificado como a vítima do atirador que causou pavor entre os alunos da instituição nesta quarta-feira. Segundo o jornal Los Angeles Times, o autor do crime foi o ex-aluno de PhD da universidade Mainak Sarkar, que posteriormente se suicidou.

Klug já havia sido alvo de comentários de ódio por parte de Sarkar na internet, após terem trabalhado juntos em pesquisas na universidade. Em uma postagem de março deste ano em seu blog pessoal, que já foi retirado do ar, o atirador descreve seu antigo professor como uma “pessoa muito doentia” e alerta estudantes para ficarem longe de Klug. Além disso, Sarkar acusa o homem de ter roubado códigos de programação de sua autoria e oferecido a outro aluno.

O responsável pelo assassinato participou de um grupo de pesquisa com Klug quando completava seus estudos na universidade e, inclusive, foi professor assistente em uma das disciplinas ministradas por ele. Em sua tese de PhD, defendida em 2013, Sarkar expressou gratidão pela ajuda de Klug com o trabalho. “Obrigada por ser meu mentor”, escreveu.

Após investigação preliminar na tarde de ontem, o chefe da Polícia de Los Angeles, Charlie Beck, havia confirmado que os dois mortos eram homens. A arma do crime foi encontrada junto aos corpos em um pequeno escritório na faculdade de Engenharia, que fica dentro do campus de ciências da UCLA, conhecido como Boelter Hall.

“Fico indignado. É incrível que alguém fizesse isso com ele, um professor jovem que acabava de começar sua carreira na UCLA. É uma lástima”, disse Renjie Li, um dos alunos que identificaram o corpo de Klug, em declarações à NBC. As provas finais da universidade, onde estudam cerca de 40.000 alunos, estavam marcadas para a próxima semana, antes das férias de verão.

O campus da UCLA permaneceu fechado durante mais de duas horas, desde as 10h locais (14h em Brasília). Um grande número de policiais foi enviado à instituição para procurar o atirador, enquanto os estudantes foram alertados para permanecerem trancados nos lugares onde estavam. Alguns utilizaram cadeiras e móveis para tentarem fechar as salas, com medo de que o atirador estivesse à solta.

O FBI também enviou agentes ao campus, enquanto a polícia de Los Angeles declarou um “alerta tático” na cidade, com centenas de policiais nos arredores da UCLA, informou o jornal Los Angeles Times. A seleção brasileira de futebol, que está na cidade americana, tinha um treino marcado dentro do complexo da universidade na tarde do crime. Devido ao caso, o treinamento foi transferido para o complexo do estádio StubHub Center, segundo um boletim divulgado pelo site da CBF.

*Com EFE

Confira também

Rússia produz vacina contra covid para animais

A Rússia produziu 17 mil doses de uma vacina contra a covid-19 para ser utilizada …