Servidores do Detran-MS entram em greve e suspendem vistorias e exames

Exames e vistorias de veículos estão suspensas em Mato Grosso do Sul nesta segunda-feira (16) como reflexo da greve dos servidores do Detran-MS (Departamento Nacional de Trânsito de Mato Grosso do Sul) que começou hoje com prazo indeterminado para acabar.

Segundo o presidente do Sindetran-MS (Sindicatos dos Servidores do Detran de Mato Grosso do Sul), Jonas Corrêa da Costa, a categoria cobra do governo um reajuste salarial que pode variar entre 10% e 6,5% e alterações na lei do Plano de Cargos e Carreiras. De acordo com ele até o momento já ouve um acordo quanto ao valor do abono salarial. Os servidores solicitaram o valor de R$ 250 e o governo ofereceu os R$ 200 já aceitos pelos servidores. “Nós queremos uma data estabelecida para a implantação do plano, o governo tem um ano para  implantar a proposta, mas queremos uma data, do jeito que ele já fez com as demais categorias”, afirmou o presidente.

Em Campo Grande, a banca examinadora, que engloba exames de vista, psicotécnicos, teóricos e práticos de direção, chega a atender entre 1 mil e 1,2 mil pessoas por dia e o setor de vistoria verifica em média 200 veículos. Por enquanto não há um levantamento fechado com o número de servidores que aderiram à greve mas há indícios de que pelo menos 80% estejam paralisados na Capital. No interior, a paralisação está presente em todos os municípios. “Estamos aguardando a contraproposta do governo, se não a greve continua por tempo indeterminado”, afirmou.

Sobre os exames práticos que foram suspensos hoje, a assessoria de comunicação do Detran-MS informou que as autoescolas podem agendar uma nova data para o candidato que perder a prova sem custo. Serviços de emissão de guia, pagamento de licenciamento, renovação de CNH, exame médico, teórico e psicológico estão sendo realizados normalmente.

(Fonte: O Estado Online)

Confira também

Universidades Federais de Mato Grosso do Sul perdem R$ 140 milhões com cortes do MEC

O Ministério da Educação (MEC) deve cortar, ao longo de 2021, R$ 994,6 milhões dos …