Fechamento de hemodiálise deixa pacientes abandonados

O atendimento de 30 pacientes renais crônicos que faziam hemodiálise no Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (Humap) de Campo Grande está prejudicado após o fechamento do setor há 13 dias. Sem encaminhamento correto, orientação ou realização de tratamento, duas duas mulheres em estado grave procuraram ajuda na Santa Casa da Capital. “Duas pacientes deram entrada muito mal. Elas não foram orientadas corretamente. Uma diz que ficou 17 dias sem “dialisar”, não sei como ela chegou viva aqui. E acho que tem mais gente perdida por aí, logo vão aparecer”, afirmou a  médica nefrologista da Santa Casa, Rafaella Campanholo Grandinete.

Uma das pacientes é Leidiane Ramos Cabral, 27 anos, paraplégica há 20 anos, que está internada na Santa Casa desde o fechamento do setor no Humap, no dia 16 último. Ontem ela precisou passar por procedimento vascular e não tem previsão de alta. A mãe dela, Maria Lúcia Cabral, 55 anos, explicou que mora próximo ao Humap e levava Leidiane até lá em apenas 10 minutos, empurrando a cadeira de rodas. “Quando ela sair do hospital não sei como vai ser. No Universitário deu um monte de problemas, primeiro a água ficou contaminada e depois os aparelhos estragaram. Minha filha já estava internada, colocaram ela na ambulância e trouxeram para a Santa Casa”, disse Maria Lúcia.

*Correio do Estado

Confira também

Sexo híbrido: projeto vai mapear as relações no Brasil pós-pandemia

“O que a gente tem visto em artigos e publicações é uma piora [do sexo]para …