As controvérsias da carreira de Cauby Peixoto

Um dos nomes mais importantes da música brasileira, Cauby Peixoto ganhou uma biografia, Bastidores – Cauby Peixoto – 50 Anos da Voz e do Mito (Record), em 2001; serviu de inspiração para a peça de teatro musical Cauby! Cauby!, protagonizada pelo ator Diogo Vilela, em 2006; e ganhou um documentário, em 2015, Cauby – Começaria Tudo Outra Vez, dirigido por Nelson Hoineff. Tais roteiros ajudaram a jogar luz na vida do cantor, que sempre prezou pela discrição. O mistério, aliás, era combustível para controvérsias que cercavam o ídolo do rádio.

A imagem de galã, criada pelo empresário Edson di Veras, e a vaidade excessiva pautaram alguns episódios de seus 60 anos de carreira. Confira momentos controversos da história de Cauby Peixoto.

Data de Nascimento

Cauby Peixoto nasceu em Niterói em um dia 10 de fevereiro, mas o ano de seu nascimento nunca foi esclarecido. A data mais aceita é 1931, mas alguns especialista dizem que ele nasceu em 1934. O cantor preferiu manter o mistério sobre sua idade e nunca revelou qual das duas opções é a correta.

Sorriso Perfeito

Aos 23 anos, o cantor arrancou todos os dentes e colocou uma prótese, por motivos estéticos, conquistando assim o que ele considerava o sorriso perfeito. Cauby também afirmava ter realizado uma única plástica no rosto. E, segundo ele, as perucas seriam usadas apenas por praticidade, para manter o penteado sempre arrumado — e não um artifício para esconder poucos fios naturais de cabelos.

Falsas Namoradas

Di Veras, antigo empresário do cantor, se empenhou em criar para Cauby a imagem de um ídolo garanhão e desejado pelas mulheres. Com estratégias de marketing elaboradas, o agente inventava histórias sobre fãs que desmaiavam quando viam o cantor, ou pagava garotas para rasgarem suas roupas por ele, em uma histeria fictícia. O empresário também inventou namoros para o músico, com as cantoras Angela Maria e Ellen de Lima, e a atriz americana Jayne Mansfield, por exemplo.

Homossexualidade

No documentário Cauby – Começaria Tudo Outra Vez, de Nelson Hoineff, lançado em 2015, o cantor falou pela primeira vez sobre sua sexualidade. Cauby assumiu que teve relações homossexuais durante a adolescência, mas não saiu totalmente do armário. “Eu era um garoto quando ia para os morros transar com os veados. Eu também andava com eles. Transar era uma coisa natural. Depois comecei a andar direito. Comecei a ter namoradas”, diz em depoimento exibido no filme.

(Fonte: Veja.com)

 

Confira também

Nova versão de ‘Zóio de Lula’, com D2, homenageia Chorão

Uma nova versão de Zóio de Lula – hit do Charlie Brown Jr. lançado em 1999 – …