Moradores de favela reassentada vão pagar contas

“Eu esperava deixar a Cidade de Deus para ir para uma casa de verdade. Porém, mesmo assim, estou satisfeita. Desse terreno, ninguém vai expulsar a gente”. O sentimento expressado pela auxiliar de montadora Larissa Gonçalves, de 28 anos, é o da maioria dos ex-moradores da favela Cidade de Deus, no Bairro Dom Antônio Barbosa, que estão sendo acomodados em um terreno público no Bairro Vespasiano Martins. Na tarde desta terça-feira, dia 8 de março, uma força-tarefa da prefeitura de Campo Grande está retirando as famílias da Cidade de Deus e reassentando na área que servia de campo de futebol no Vespasiano. No local, há 52 lotes medindo cerca de 10X20 metros.

Os moradores ainda não foram informados sobre a forma de pagamento do terreno, mas a prefeitura pretende cobrar parcelas pequenas. No local, a estrutura é bem diferente da Cidade de Deus. A Energisa está instalando a rede de energia elétrica e a Águas de Guariroba a rede de abastecimento de água potável. Quando chegam ao terreno, os moradores precisam celebrar contratos com as concessionárias de água e energia e, depois, o pré-contrato com a prefeitura que os autoriza a ficarem nos terrenos, até que a situação seja totalmente regularizada. Uma tenda foi montada no local com vários serviços da prefeitura para receber e orientar as famílias.

Os pertences dos moradores estão sendo levados para o terreno no Vespasiano em caminhões de mudança. A prefeitura está oferecendo lonas e pregos. Já as madeiras para erguer os barracos são trazidas da Cidade de Deus pelos próprios moradores. Funcionários da Secretaria de Obras ajudam na reconstrução dos barracos. Alguns moradores reclamaram de prejuízos durante a mudança. “Muitos dos meus móveis se quebraram na mudança. As telhas, que eu já tinha poucas, também quebraram”, reclamou a dona de casa Ramona Ximenes, 34 anos. A mulher revelou ter ficado decepcionada com a mudança, pois espera uma moradia de verdade, não  a transferência do barraco.

Contudo, a mulher admite ter esperanças de que a vida será melhor no novo endereço por ser mais salubre. A favela Cidade de Deus era considerada uma área de risco para a saúde das famílias. O local fica próximo ao lixão de Campo Grande, além disso, não tinha qualquer infraestrutura. Água e luz eram obtidas por meio de ligações clandestinas. Agora, reassentados no Vespasiano Martins, as famílias passam a ser clientes das concessionárias e terão que pagar pelo consumo de água e energia elétrica. Contudo, o local só receberá 52 famílias. Ao todo, a prefeitura planejou o remanejamento de 250. As demais serão acomodadas em outras duas áreas na Capital, cujo endereço a prefeitura mantém em sigilo para evitar invasões.

Em nota, a prefeitura informou que transferência dessas famílias foi pensada de modo a melhorar a qualidade de vida da comunidade. “As famílias passaram por um cadastramento e foi verificado qual seria o melhor local para que elas fossem transferidas. Os locais onde os moradores da comunidade ficaram tem toda a infraestrutura necessária para atendê-los. Drenagem, água e energia, além de ficar próximos de Unidades Básicas de Saúde (UBS), Ceinf (Centro Educação Infantil) e com acesso a transporte coletivo.”

(Fonte: Diariodigital)

Confira também

UEMS/Campo Grande: Inscrições para aluno regular no Mestrado em Letras vão até 17 de dezembro

Foram prorrogadas as inscrições para alunos regulares no Mestrado em Letras da Universidade Estadual de Mato …