Sabesp escoa 60 bilhões de litros de água dos sistemas Guarapiranga e Billings

A volta das chuvas fez a Empresa Metropolitana de Água e Energia (Emae) e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) descarregar os Sistemas Guarapiranga e Rio Grande, o braço despoluído da Billings, para evitar o transbordamento das barragens, uma manobra adotada ainda durante a crise hídrica. Desde 8 de dezembro, cerca de 60 bilhões de litros de água foram escoados – 45 bilhões e 15 bilhões em cada reservatório, respectivamente, após superarem 90% da capacidade.

Segundo a Sabesp, que usa os dois sistemas para abastecer cerca de 8 milhões de pessoas na Grande São Paulo, “não há desperdício de água” porque “a sobra do Guarapiranga e do Rio Grande é bombeada de volta para a (Represa) Billings” e “fica disponível para ser reaproveitada, tanto para produção de água potável quanto para produção de energia elétrica” na Usina Henry Borden, em Cubatão, na Baixada Santista.

A água armazenada na Billings, por exemplo, tem sido usada para socorrer o Sistema Alto Tietê, que atravessou severa estiagem em 2014 e 2015. A transposição, no entanto, estava prevista para ser entregue em maio do ano passado, foi inaugurada em 30 de setembro em caráter de testes e entrou em operação plena no dia 11 de dezembro, após o início da descarga de água do Rio Grande. Por segundo, até 4 mil litros podem ser transpostos – 10,4 bilhões por mês. Para encher reservatórios, a Sabesp investiu 180 milhões de reais em obras emergenciais na seca de 2015.

O volume de água descarregado até ontem equivale a 35% da capacidade total do Guarapiranga (171 bilhões de litros) ou a 53% do Rio Grande (112 bilhões) e seria suficiente para abastecer cerca de 7 milhões de pessoas durante um mês. Nos dois casos, a água descarregada se mistura com a que é bombeada do Rio Pinheiros em períodos chuvosos para evitar enchentes na capital. Na segunda-feira, o Guarapiranga e o Rio Grande tinham 86,1% e 94% da capacidade, respectivamente.

“A Sabesp deve ter mantido essas represas com o nível elevado com medo de que não chovesse tanto agora”, explica Marussia Whately, consultora em recursos hídricos e coordenadora do movimento Aliança pela Água. Ao contrário do Cantareira e do Alto Tietê, esses dois sistemas não sofreram com a estiagem. Por isso, tiveram a capacidade de produção ampliada pela Sabesp durante a crise hídrica. De fevereiro a dezembro do ano passado, a produção de água no Guarapiranga chegou a superar a do Cantareira, que retomou o posto de principal sistema neste mês.

Início – As manobras começaram no Rio Grande, quando o sistema chegou a 99% da capacidade, no dia 8 de dezembro. No Guarapiranga, a transferência é feita para o canal do Rio Pinheiros que deságua na Billings por meio da abertura de comportas pela Emae. A primeira delas aconteceu no dia 28 de dezembro, quando o sistema tinha 92% da capacidade.

Segundo a Sabesp, mesmo após a água ser descarregada na Billings ela ainda pode ser aproveitada para abastecimento público porque a companhia usa os braços Taquacetuba e Rio Pequeno, da represa, para transferir até 9.000 l/s para o Guarapiranga e o Rio Grande. Hoje, contudo, como os dois sistemas estão cheios, as transferências de água não estão sendo feitas pela companhia.

Benefício – Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, disse que pretende apresentar, neste ano, uma proposta de revisão tarifária à agência reguladora do setor (Arsesp) para aumentar o número de consumidores beneficiados com a tarifa social, que custa um terço da taxa normal de água.

Confira também

Exame não consegue concluir causa da morte de estudante em hotel de SP

Jovem passava férias no litoral de São Paulo (Foto: Arquivo Pessoal) O Instituto Médico Legal …