Número de pedidos de recuperação é o maior desde 2006

No ano passado, foram requeridos 1.287 pedidos de recuperações judiciais, 55,4% a mais do que o registrado em 2014, divulgou nesta segunda-feira a empresa de consultoria Serasa Experian. O resultado é o maior para o acumulado do ano desde 2006, após a entrada em vigor da Nova Lei de Falências. Em 2014, foram 828 ocorrências contra 874 em 2013.

Segundo os economistas da Serasa, o quadro conjuntural da economia brasileira que prevaleceu durante o ano passado, marcado pelo aprofundamento da recessão, das sucessivas elevações do custo do crédito e da disparada do dólar, prejudicaram a geração de caixa das empresas e aumentaram seus custos operacionais. Assim, houve deterioração da saúde financeira das empresas brasileiras, ocasionando patamar recorde dos pedidos de recuperações judiciais.

As micro e pequenas empresas lideraram os requerimentos de recuperação judicial do ano passado, com 688 pedidos, seguidas pelas médias (354) e pelas grandes empresas (245). Na análise mês a mês, o indicador verificou aumento de requerimentos de recuperação judicial em dezembro, em relação a novembro, alta de 23% (150 em dezembro contra 122 em novembro). Já na comparação entre dezembro do ano passado e dezembro de 2014 a alta foi de 183%, de 53 para 150.

Falências – Em 2015, foram realizados 1.783 pedidos de falência em todo o país, um aumento de 7,3% em relação aos 1.661 requerimentos efetuados em 2014. Dos 1.783 requerimentos de falência efetuados em 2015, 923 foram de micro e pequenas empresas, 415 de médias e 448 de grandes. Na análise mês a mês, o Indicador verificou queda de requerimentos de falências em dezembro em relação a novembro de 24,6% (129 em dezembro contra 171 em novembro). Já na comparação entre dezembro do ano passado e dezembro de 2014 a alta foi de 0,8%, de 128 para 129. Na verificação mensal de dezembro, as Micro e Pequenas Empresas também ficaram na frente com 73 requerimentos, seguidas pelas médias empresas, com 20, e as grandes com 36.

 

(Fonte:Veja.com)

Confira também

Transição energética é “demasiado lenta”

A Agência Internacional de Energia (AIE) considerou hoje (13) que o mundo vai sofrer com o …