Messi preferiu Suárez a Neymar, e Cristiano votou em Benzema na Bola de Ouro

Instantes depois da entrega da quinta Bola de Ouro da carreira de Lionel Messi, a Fifa divulgou a relação completa dos votos dos capitães e treinadores das seleções afiliadas, além de um grupo de jornalistas. Como de costume, a relação teve algumas bizarrices e bastante corporativismo: segundo colocado, Cristiano Ronaldo só votou em colegas do Real Madrid, apesar do fraco ano do time. Já o campeão Messi deixou Neymar em segundo e elegeu o outro companheiro de ataque, o uruguaio Luis Suárez, como melhor do mundo em 2015. Pela primeira vez, os três finalistas votaram, pelo fato de serem capitães de suas seleções.

Apesar de ter dito na entrevista coletiva prévia que Messi e Cristiano eram os melhores atletas que já havia visto em campo, Neymar ignorou o português. Votou, nesta ordem, em Lionel Messi, Luis Suárez e no croata Ivan Rakitic. Messi também elegeu apenas atletas do Barcelona, mas escolheu Suárez, Neymar e Andrés Iniesta. Cristiano Ronaldo, por sua vez, chutou o balde: apesar do ano sem títulos do Real Madrid e de domínio absoluto do rival Barcelona, votou em seus colegas de ataque: Karim Benzema, James Rodríguez e Gareth Bale.

O técnico da seleção brasileira Dunga acertou os finalistas, mas em ordem diferente: Neymar, Messi e Cristiano. O técnico da Argentina, Gerardo Martino, foi mais ainda mais “patriota”: Messi, Sergio Agüero e Javier Mascherano. O técnico alemão Joachim Low repetiu a estratégia de votar apenas em compatriotas e nomeou Manuel Neuer, Thomas Müller e Toni Kroos.

Neymar recebeu 14 votos como melhor do mundo: além de Dunga, escolheram o brasileiro do Barcelona os capitães da Costa Rica, Bryan Ruiz, do Equador, Walter Ayovi, das Filipinas, James Younghusband, das Ilhas Salomão, Faarodo Henry, da Zâmbia, Kalaba Rainford, e os técnicos de Curaçao, o ex-jogador holandês Patric Kluivert, de Gana, Grant Abraham, de Honduras, Jorge Luis Pinto, da Nova Caledônia, Thierry Sardo, de Zâmbia, George Lwandamina,do Azerbaijão, Mövsümov Rasim, e o jornalistas das Ilhas Turcas e Caicos, Faizool Del e da Ucrânia, Linnyk Igor.

Único jornalista brasileiro na eleição, Cleber Machado, da Rede Globo, “gabaritou” a lista, com votos para Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar. A jornalista portuguesa, Rita Joaquim, também repetiu as escolhas, deixando Cristiano em segundo. Pentacampeão, o argentino terminou com 41,33% dos votos, à frente de Cristiano Ronaldo, com 27,66%, e de Neymar, com 7,86%.

Protesto – Quatro figuras importantes do futebol mundial não votaram na eleição da Bola de Ouro, dois deles por suposto protesto. Irritado por não ter seu nome incluído na pré-lista de melhores goleiros do ano apesar de ter sido vice-campeão da Liga dos Campeões pela Juventus, o capitão italiano Gianluigi Buffon abriu mão de votar e recebeu a solidariedade de seu treinador, Antonio Conte, segundo diversos jornais da Itália . As outras ausência também foram de goleiros: o espanhol Iker Casillas teria perdido o prazo para votar e o chileno Claudio Bravo também não teve o voto computado, por motivos desconhecidos, segundo informações da emissora local Cadena Cope. (Fonte: Veja.com)

Confira também

PSG perde invencibilidade no Francês

Messi, Neymar e Mbappé amargaram neste domingo a primeira derrota atuando juntos com o Paris …