Inadimplência deixa rombo de R$ 17 milhões no comércio

Rombo é de R$ 6 milhões a mais em dívidas que consumidores contraíram
O índice de inadimplência subiu 3,93% em Dourados em 2015, no comparativo com o ano anterior, segundo dados do SCPC (Serviço de Proteção ao Crédito) fornecidos pela Aced (Associação Comercial e Empresarial de Dourados) a pedido do Dourados News. A porcentagem parece pouca, mas se considerados os números absolutos, o rombo é de R$ 6 milhões a mais em dívidas que os consumidores contraíram e deixaram de pagar, os levando à negativação no SCPC.
Em 2014, haviam 23.924 negativações no Serviço que somavam um montante de R$ 11.576.525,39 em dívidas não pagas. O que já era grande aumentou e no ano passado, esse volume subiu para 24.864 negativações que somam R$ 17.466.135,87.
Se considerados os meses do ano, dezembro de 2015 bateu recorde de aumento na inadimplência crescendo 66,26% se comparado ao mesmo mês de 2014. Foram 2 mil negativações somando R$ R$ 1.324.753,28, contra 1.239 que resultaram em R$ 483.822,03.
A inadimplência só foi menor no comparativo entre os meses, em março (-17,29%), abril (-1,86%), maio (-36,12%), julho (-34,86%) e setembro (-7,33%). Nos demais só houve aumento a exemplo de dezembro, começando logo por janeiro (8,35%), seguido de fevereiro (0,90%), junho (36,80%), outubro (39,64%) e novembro (34,23%).
Menos pessoas saíram do SCPC
Além de ter aumentado a quantidade negativações no SCPC, ou seja, de dívidas que não foram pagas e levaram o nome de seus responsáveis para o serviço; o volume de pessoas que já estavam com os nomes de seus ‘donos’ inscritos no SCPC e pagaram o valor para poder tirar também diminuiu consideravelmente. A quantidade de cancelamento caiu em 2,39%. Em 2014, houve o cancelamento de 14.624 dívidas que somavam R$ 7.084.867,93 e em 2015 caiu para 14.274 quitadas no valor de R$ 8.491.306,68.
Dessa forma, os números mostram que apesar da redução na quantidade de dívidas pagas pelos devedores para retirar seus nomes do SCPC, o montante foi maior. Conforme informou o SCPC, o volume de cancelamentos e negativações são dados somente do comércio local. O serviço não inclui empresas chamadas de rede, como bancos, grandes lojas, financeiras e outros.
Durante o mês de setembro do ano passado, o Procon (Programa Municipal de defesa do Consumidor) fez uma campanha chamada “Saindo no Sufoco” em parceria com a Unigran, para mediar a negociação de débitos entre consumidores e devedores. Várias empresas aderiram à época, como bancos, operadoras de telefonia, Energisa, Sanesul, e comércio local através da CDL e Aced. Na época, pelo menos 400 procuraram o órgão para negociar as dívidas e 95% dos impasses foram solucionados.
Fonte: Diariodigital

Confira também

Comércio prevê melhor Natal em três anos

O mercado de trabalho brasileiro movimentou 188,1 bilhões de reais em saláriosno terceiro trimestre do ano. O resultado …