Indústria alimentícia projeta crescer até 1% em 2016

Cenário de crise faz empresários prever cenário pessimistas para o próximo ano
A indústria de alimentos e bebidas de Mato Grosso do Sul projeta crescer até 1% em 2016 na comparação com 2015, um percentual muito próximo da estagnação e bem abaixo dos 12% que foram previstos para 2015 no final do ano passado. Com as dificuldades enfrentadas pela economia em 2015, Sandro Mendonça presidente do Siams (Sindicato das Indústrias da Alimentação do Estado de Mato Grosso do Sul), reforça que a indústria de alimentos e bebidas sul-mato-grossense também fecha o ano com dificuldades em decorrência da redução do consumo das famílias. Conforme avaliação do Sandro Mendonça deve acontecer um aumento no valor da produção de R$ 2,23 bilhões para R$ 2,25 bilhões, com base nos dados levantados pelo Radar Industrial da Fiems.
Com 721 estabelecimentos e 8.887 trabalhadores com carteira assinada, o segmento no Estado está com perspectiva mais esperançosa e prevê a manutenção do cenário de crescimento apesar da crise financeira que assola todos os setores da economia nacional. “Apesar disso, algumas empresas vão crescer um pouco, mas a tendência é que muitas terão de frear a produção, reduzindo custos, trabalhar com ajustes à nova realidade. Em resumo, vamos ter de enxugar as despesas para poder crescer”, disse, ressaltando que a crise não é só financeira, mas também política, afetando o ânimo dos empresários, que, consequentemente, freiam os investimentos.
Ele acrescenta que o momento é de rever os custos e buscar a inovação para se manter ou buscar novos mercados. “Em um momento de crise algumas empresas deixam de atender o mercado e, nesse contexto, pode surgir espaço para outras que estejam melhor estruturadas e que busquem inovar seus produtos. Este é um momento de rever custos e inovar para ganhar mercado. É hora de cuidar minuciosamente da gestão”, concluiu.
Fonte: Diariodigital

Confira também

Comércio prevê melhor Natal em três anos

O mercado de trabalho brasileiro movimentou 188,1 bilhões de reais em saláriosno terceiro trimestre do ano. O resultado …