Cidade de Deus será removida para área vizinha

Prefeito pede que Emha apresse transferência de famílias para loteamento próximo
Considerada área de maior vulnerabilidade social de Campo Grande, a favela Cidade de Deus deverá ser extinta pela prefeitura da Capital em breve. O poder público planeja reassentar as famílias em um loteamento do município em área próxima, na região do Bairro Dom Antônio Barbosa. A informação foi repassada a moradores da favela pelo próprio prefeito Alcides Bernal (PP). Na tarde desta quinta-feira, 10 de dezembro, ele recebeu, uma comissão de representantes da Cidade de Deus. No encontro, revelou o plano de remanejar os moradores para uma área próxima da favela. A ideia era fazer a remoção em janeiro de 2016, mas Bernal pediu à Empresa Municipal de Habitação (Emha) que estude a possibilidade de antecipar o processo. A situação das famílias se complicou após a Energisa cortar as ligações clandestinas de energia elétrica. Contudo, Bernal não fez promessas e pediu aos moradores que aguardem a transferência. “O prefeito pediu para a gente ter paciência (…) Ele falou que nós vamos para uma área mais segura e perto de onde estamos, para não atrapalhar a rotina das crianças que precisam ir à escola. Enquanto isso, vamos continuar esperando e sobrevivendo como a gente fazia antes”, relatou Delair Urias Coelho, professora da escolinha da comunidade, após o encontro com Bernal. Segundo ela, o prefeito não deu detalhes sobre a novo local a ser habitado pela comunidade.
Porém, segundo informações extraoficiais, a prefeitura distribuirá os lotes com rede de água e energia elétrica. Cada morador será responsável pela construção da casa. Não está definido se a Emha doará kits de materiais para as famílias, contudo, elas deverão pagar um valor simbólico, a ser definido, pelos lotes. Mesmo sem saber detalhes, os moradores ficaram satisfeitos com o anúncio do prefeito. Isso porque ficarão mais perto de onde já vivem hoje. No ano passado, a gestão Gilmar Olarte (PP) chegou a tentar a transferência das famílias para uma área no Jardim Noroeste, na saída para Três Lagoas, o que não agradava a maioria. A quantidade de famílias a ser reassentada ainda é um mistério. Bernal não teria falado em números. Porém, a Emha só deverá transferir quem já está cadastrado pela Secretaria de Assistência Social. Atualmente, há cerca de 300 famílias na favela, segundo os moradores. A reunião de ontem não estava prevista na agenda do prefeito. Os moradores seguiram para a prefeitura após uma manhã tensa na Cidade de Deus.
Funcionários da Energisa cortaram as ligações clandestinas de energia elétrica, sob alegação de riscos para a comunidade. Em protesto, os moradores da Cidade de Deus bloquearam a rodovia BR-262, em frente ao Lixão, por mais de quatro horas. O congestionamento se prolongava nos dois sentidos da via quando a Polícia Rodoviária Federal (PRF) chegou e pediu a saída das famílias, que seguiram para a prefeitura para conversar com Bernal. No diálogo com os moradores, o prefeito teria revelado ainda ter pedido paciência para a própria Energisa, mas não pode interferir nas decisões da concessionária. Em nota, a Energisa explicou que a interrupção no fornecimento de energia elétrica foi necessário por uma questão de segurança. “Além de ser crime e gerar impacto nas tarifas de clientes regulares, as ligações clandestinas oferecem riscos à população, sobrecarregam e comprometem a confiabilidade da rede de distribuição de energia”, disse a concessionária em nota.
Fonte: Diariodigital

Confira também

Precisa de ajuda? Grupos de apoio que reúnem voluntários salvam vidas em Campo Grande

Por vezes um sentimento represado que é posto para fora é o que separa a …