Paulo Corrêa quer estudo sobre população indígena de MS

Após sugerir na semana passada, durante reunião da CPI do CIMI, a realização de um estudo técnico para levantar dados sobre a população indígena que vive em Mato Grosso do Sul, o deputado Estadual Paulo Corrêa, que é relator da Comissão, apresentou hoje (17/11) uma indicação oficializando o pedido ao governo do Estado.

Na indicação o parlamenta solicita a realização de estudos fundamentados, criteriosos e confiáveis contendo diagnóstico da situação da população indígena em Mato Grosso do Sul.

O parlamentar justificou que o levantamento tem como finalidade dotar o Governo do Estado de uma ferramenta que dê alicerce para o desenvolvimento de políticas de atendimento aos indígenas e que esse dados serão úteis também para a demarcação de territórios indígenas.

“Hoje nós não sabemos ao certo a quantidades de índios que vivem no nosso Estado. Como relator de uma CPI que envolve diretamente essa população, sinto falta desses dados. Há uma necessidade de se fazer esse levantamento, que vai mostrar também as condições dessa população, suas necessidades e muitos outros dados importantes. Isso é fundamental para que o governo realize ações efetivas de atendimento aos indígenas e também servirá como base para a definição dos territórios futuramente demarcados. Nossa luta é para que isso aconteça o mais rápido possível e encerre os conflitos que hoje envolve os povos indígenas e os pecuaristas”, explicou o autor da proposta.

No documento apresentado durante a sessão da Assembleia, Paulo Corrêa sugere ainda que o levantamento contenha dados como áreas demarcadas, ocupadas, situação de moradia e alcance dos programas sociais.

A indicação foi assinada também por outros membros da CPI do CIMI e será agora encaminha ao governador Reinaldo Azambuja e ao Secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel.

Confira também

Sabia? Câmara envia boletins sobre o que os 8 deputados federais de MS fazem em Brasília

Você se lembra em quem votou para deputado federal em 2018 (ou em qualquer outro …