João Amorim depõe por menos de 20 minutos no MPE

Depoimento rápido indicaria que Amorim está se reservando ao direito de ficar calado
O empreiteiro João Amorim, dono da Proteco, prestou depoimento no Ministério Público Estadual ( MPE ) por menos de 20 minutos nesta quinta-feira, 12 de novembro. Ele que está preso na Delegacia de Narcóticos (Denar) chegou escoltado em viatura da Polícia Civil por volta das 14h20. Os depoimentos estão sendo prestados aos promotores de Justiça que investigam desvios de recursos por meio de fraudes em medições de obras públicas, no governo de André Pucinelli (PMDB). O depoimento rápido de Amorim indica que ele está se reservando ao direito de ficar calado. O advogado dele, Benedicto de Figueiredo, deixou o MP sem querer falar sobre o depoimento de seu cliente. Ele reiterou as queixas que fez em entrevistas anteriores. Para ele, as prisões são ‘desnecessárias’. Questionado sobre o fato de o Tribunal de Justiça ter cassado os habeas corpus que liberaram o ex-deputado federal e ex-secretário de Obras Edson Giroto e a ex-diretora da Agesul Maria Wilma Casanova, o advogado disse que tal situação apenas reflete “o estado policialesco em que estamos vivendo.” Edson Giroto e Maria Wilma voltaram para as celas do Garras na manhã desta quinta-feira, após o TJ cassarem as liminares que garantiram liberdade a eles. Além deles e de Amorim, outras cinco pessoas continuam presas suspeitas de organização criminosa para desviar verbas públicas. Já a secretária de Amorim, Elza Cristina Araujo dos Santos, obteve prisão domiciliar com escolta policial, pois está grávida de sete meses e a gestação seria de risco.
Fonte: Diariodigital

Confira também

Campo Grande segue com imunização de primeira dose em pessoas com mais de 34 anos

O sábado começa com a vacinação de pessoas com 34 anos ou mais em Campo …