Jardim é citado no relatório SOS mata Atlântica como “cidade que mais preservou” áreas florestais no MS

Segundo Atlas dos Municípios da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), lançado na quarta-feira (11), Jardim é a cidade do Mato Grosso do Sul que “mais preservou o bioma no período de 2000‐2014 “contando com 78,8% de vegetação natural, em comparação com a área original. A vegetação natural inclui, além das florestas, outras áreas como refúgios, várzeas e campos de altitude. A capital do Estado, Campo Grande, possui 17% de área do bioma conservada.

Para o secretário municipal de meio ambiente, Thiago Borges, isso “só reforça e confirma a consciência ecológica, o manejo sustentável e cultura conservacionista do jardinense. O papel da Educação, dos atrativos turísticos, dos pequenos e grandes proprietários rurais nas áreas de nossos principais cursos d´agua: o Miranda, o Prata, o Verde, o Guardinha, o Cachoeirinha, entre outros” – apontou.

Segundo o prefeito municipal, Dr. Erney Cunha Bazzano Barbosa, é “uma alegria e um grande orgulho ver Jardim em posição tão alta e favorável nas pesquisas ecológicas; em tempos de mudança climática, aquecimento global, crise hídrica e outras problemáticas ambientais potencialmente redutoras da qualidade de vida dos seres humanos” – esclareceu.

Para o diretor de meio ambiente do município, Antônio Carlos Piazer, o número de 78% da vegetação preservada, “significa que os agricultores e pecuaristas estão respeitando a Lei e gerindo de modo moderno, sustentável e ecologicamente correto suas propriedades, produzindo sem degradar a natureza”. Isso representa mais água em bom estado, mais pássaros e mamíferos, boa população de insetos polinizadores, sem contar na variedade de fito espécies (plantas) arbóreas, arbustivas e rasteiras que produzem frutos, sementes, folhas, raízes e cascas utilizadas na farmacopeia popular, o chamado “jujo” – acrescentou o biólogo Piazer, da secretaria municipal de meio ambiente.

Entre as ações voltadas para a questão ambiental, o município implantou em parceria com o Recanto Ecológico Rio da Prata e a Lagoa Misteriosa, nas escolas da Rede Municipal de Ensino, o projeto Educando e Plantando, focado na aprendizagem da biodiversidade dos biomas, nas interações geobiológicas e da reprodução e preservação de diversas espécies.

Confira também

Novos aspectos da Rota Bioceânica serão discutidos em Live

Nesta sexta-feira (24), a partir das 19h (horário de MS), o projeto UEMS na Rota …