Governos federal, estadual e municipal discutem detalhes do revezamento da tocha no MS

O estado do Mato Grosso do Sul recebeu nesta sexta-feira (25) a reunião para ajustes operacionais da passagem da Tocha Olímpica. Representantes dos governos federal, estadual e de prefeituras do Mato Grosso do Sul se encontraram na Governadoria, no Parque dos Poderes, em Campo Grande, para determinar atribuições em áreas estratégicas para o sucesso do evento, como turismo, segurança e defesa, cultura e mobilidade.

No Mato Grosso do Sul, a tocha passará pelos municípios de Campo Grande, Dourados, Bataguassu, Itaporã, Ivinhema, Maracaju, Nova Andradina, Rio Brilhante e Sidrolândia. Ela pernoitará nas duas primeiras cidades.

De acordo com o ministro do Esporte, George Hilton, a passagem da tocha é uma oportunidade de demonstrar capacidade de gestão e organização de todo o país e daí vem a importância do encontro para ajustar as ações de todos os entes federados.

“Este é um grupo de trabalho interministerial, com representantes do Esporte, Cultura, Turismo, Justiça, Defesa e da Secretaria de Relações Institucionais. Também tem grandes parceiros de estatais e atuação do Comitê Rio 2016. Os governos estaduais e as prefeituras são essenciais para a organização – e tenho certeza que não há a mínima possibilidade de não dar tudo certo”, afirmou o ministro na cerimônia de abertura da reunião desta sexta.

“A tocha inspira a necessidade de estarmos unidos. Somos maiores que qualquer crise econômica ou política. O esporte tem essa missão de unir e integrar. Neste momento, somos todos Brasil”, acrescentou Hilton.

Como legado dos Jogos Olímpicos, o ministro citou os R$ 4 bilhões investidos pelo governo federal em ampliação da infraestrutura esportiva pelo país nos últimos oito anos. “Além da estrutura física, temos mais de 6 mil atletas recebendo bolsas do Ministério do Esporte. Nossa meta é ficar. Nossa meta é ficar entre os dez nos Jogos Olímpicos e entre os cinco nos Jogos Paralímpicos, mas o principal é fazer com que crianças, como o judoca Douglas Cauã, de 12 anos, possam começar e continuar a praticar esporte. O pensamento não é só para curto prazo, mas também para médio e longo prazo. O esporte é uma grande ferramenta para formação de caráter de todas as crianças”, disse o ministro.

“Tenho certeza que o Brasil receberá a todos muito bem durante os Jogos. Não será diferente na passagem da tocha aqui no Mato Grosso do Sul. É algo simbólico, mas que tem um significado muito grande. Mostraremos a alegria e o espírito do povo sul-mato-grossense”, afirmou o governador do estado, Reinaldo Azambuja.

Confira também

Análise: São Paulo volta a jogar no limite e revive momentos da pior fase na temporada

Quando o São Paulo viveu seu pior momento na temporada, com pressão devido às eliminações precoces no …