Começa cobrança do pedágio na BR-163 em Mato Grosso do Sul

Começou desde à zero hora de hoje a cobrança do pedágio na BR 163 em Mato Grosso do Sul. De acordo com a CCR Via, todas as nove praças instaladas nos 847 quilômetros da BR-163 começam a operar com tarifas que variam entre R$ 4,70 e R$ 7,20. Mesmo onde não há trechos de duplicação concluídos a cobrança ocorrerá.

De acordo com a tabela da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), entre as cidades de Pedro Gomes e Sonora o pedágio é de R$ 5,40; Rio verde de Mato Grosso (R$ 7,20); São Gabriel do Oeste/Camapuã (R$ 5,50); Bandeirantes/ Rochedo/Jaraguari (R$ 5,60); Campo Grande (R$ 7,20); Rio Brilhante (R$ 6,50); Caarapó (R$ 6,50); Itaquiraí/ Naviraí (R$ 6,40); Mundo Novo (R$ 4,70).

Com relação ao transporte de cargas, a “Lei dos Caminhoneiros” entrou em vigor no último dia 17 de abril e permite a isenção do pedágio para o caminhão estiver vazio e com eixo suspenso. A lei aumenta a tolerância de peso por eixo, o que pode causar maior desgaste das estradas. Além disso, o Setlog-M (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de MS) estima aumento de até 8% no preço do frete. Pra cruzar de carro de Norte a Sul no Estado, o condutor vai pagar R$ 55,00. As carretas de seis vão pagar entre R$ 28,20 e R$ 43,20 para transitar pela rodovia. Por isso, para cruzar o Estado o motorista terá que desembolsar o valor de R$ 330.

Aumento da tarifa

A cobrança do pedágio começa já com os valores reajustados em comparação com o que foi anunciado pela empresa em 2014. Para se ter uma ideia, para atravessar o estado passando por todos os pedágios de carro, o motorista pagaria R$ 41, segundo o anunciado no ano passado. Hoje, com o reajuste vai pagar R$ 55; ou seja, R$ 14 a mais.

A tarifa média passou de R$ 4,38 para R$ 6,48 e em alguns casos o reajuste atinge 48% de aumento. A empresa justifica o reajuste devido a compensação por investimentos fora de contrato e pelas perdas provocadas pela Lei do Caminhoneiro (eixo suspenso).

Polêmica

Com os valores dos pedágios anunciados pela concessionária da rodovia BR-163, em Mato Grosso do Sul, a CCR MSVias, parlamentares da bancada federal do Estado estiveram na última quinta-feira (10) na ANTT, para questionar esses valores acima daquilo que foi estipulado anteriormente. A bancada sul-mato-grossense questionou exatamente a diferença entre o que foi previsto em 2014, uma média tarifária na ordem de pouco mais de R$ 4,38, para a média anunciada no valor de R$ 6,48.

“Isto significa que, em um ano, houve um aumento nas perspectivas tarifárias na ordem de 48%, algo fora de qualquer razoabilidade, o que está revoltando a população mais diretamente alcançada pela utilização da rodovia”, comentou o senador Moka. Para o deputado Geraldo Resende alguns índices utilizados pela concessionária, como, por exemplo, de 0,66% a mais para “compensação dos benefícios a caminhoneiros” que mantêm suspenso o último eixo dos veículos não estão claros. Segundo ele, a isenção da cobrança deixa de ser um benefício e acaba sendo pago pelo restante da população. Na próxima terça-feira a bancada volta a se reunir na ANTT.

Confira também

Entenda as diferenças do 1º e 2º lote da Coronavac

Na sexta-feira (22), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou o segundo lote da Coronavac. Mais 4,1 …