Longen diz que unificação do ICMS provocaria fuga das indústrias do Estado

Perda de competitividade, saída das indústrias de Mato Grosso do Sul e desinteresse de outras em se instalar no Estado são algumas das consequências da aprovação do Projeto de Resolução do Senado, que prevê a unificação das alíquotas do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em todo o País, segundo análise do presidente da Fiems, Sérgio Longen. Ele participou, nesta segunda-feira (10/08), na Assembleia Legislativa, em Campo Grande (MS), da audiência pública “Unificação das Alíquotas do ICMS e seus Impactos”, quando destacou alguns pontos defendidos pelo setor industrial sul-mato-grossense.

Na avaliação de Sérgio Longen, o momento é de se buscar alternativas para desenvolver os Estados e não criar situações nas quais as empresas percam competitividade e acabem por fechar as portas. “Essa proposta é inaceitável, porque fatalmente tirará a competitividade das nossas indústrias. Não aceitamos, vamos lutar até o fim para que isso não ocorra”, declarou, apresentando quatro pontos defendidos pela Fiems. “O primeiro é relativo à defesa da alíquota diferenciada do ICMS para os Estados em desenvolvimento. A manutenção da alíquota diferenciada para as regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste dá mais competitividade aos produtos industrializados, pois sem o diferencial ninguém mais vai comprar a produção dessas localidades”, detalhou.

Ele também disse que há a necessidade latente de incentivos fiscais regionalizados. “O Brasil não pode mais pensar em desenvolvimento que não seja regionalizado. Com alíquota diferenciada de ICMS mais os incentivos fiscais, a produção do Centro-Oeste, Norte e Nordeste é competitiva com a dos grandes centros do País”, disse, citando como terceiro ponto a governança e a governabilidade. “O Brasil precisa avançar nessa direção para que não ocorra nos Estados o que está acontecendo com os municípios, que estão morrendo financeiramente”, justificou.

Já o quarto ponto é a possível criação de um Fundo de Compensação do ICMS. “Hoje, um exemplo claro de compensação da União para os Estado e que não deu certo é a Lei Kandir, que isenta de ICMS os produtos destinados à exportação. Os Estados não estão conseguindo receber nada de compensação da União. O setor industrial não aceita, em hipótese alguma, a posição de que o Governo Federal faria primeiro a unificação da alíquota de ICMS e depois criaria um fundo de compensação, que ninguém sabe quanto tem de recursos para esse fim”, disse.

A indústria defende que, caso o Governo Federal e as bancadas estaduais entendam que a unificação da alíquota seja interessante, que a medida seja discutida com a sociedade como um todo ao invés de apenas entre as lideranças partidárias em Brasília. Na avaliação do secretário-adjunto da Secretaria Estadual de Fazenda, Jader Julianelli, caso o projeto seja aprovado, serão muitos os prejuízos. “São prejuízos em todas as áreas, com possibilidade de não cumprimento do comprometimento om a folha. O ideal é que não se mexa em nada”, disse.

Para o deputado estadual Eduardo Rocha, proponente da audiência pública, é imprescindível buscar formas de brecar o projeto. “Temos que discutir com quem será prejudicado. Ao término dessa audiência vou fazer um documento de encaminhar para os três senadores. A expectativa é poder com o apoio deles para impedir que este projeto continue”, declarou. No caso da senadora Simone Tebet, unificar a alíquota do ICMS é tirar de Mato Grosso do Sul a única condição que tem para atrair indústrias. “Estão querendo resolver o problema de desenvolvimento pelo final. Temos de criar um Plano Nacional de Desenvolvimento Regional, isso precisa ser feito, pois o que estão tentando é fazer Reforma Tributária às avessas”, discursou.

Ela esclareceu que por se tratar de PRS o projeto não passa pela Câmara e não precisa da sanção ou veto da presidente da República, precisando apenas da maioria simples do Senado. “Temos de montar uma linha de frente e não deixar votar”, finalizou. O senador Waldemir Moka salientou que, caso seja aprovado, o projeto resultará em sérios problemas para Mato Grosso do Sul. “Seria um desastre e o que já é ruim pode piorar. Temos aí o exemplo da Lei Kandir que traz retornos ao Estados”, disse. Para o presidente da Comissão de Turismo, Industria e Comércio da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa, o projeto vai dificultar a economia de Mato Grosso do Sul. “Se esse projeto passar quebra Mato Grosso do Sul. Falta muita sensibilidade neste momento de crise, pelo qual passamos”.

Confira também

Simone consegue apoios de Podemos e Cidadania na corrida pela presidência do Senado

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) selou os apoios do Podemos e do Cidadania na disputa pela presidência do Senado. A …