Djokovic vence Federer pela 10ª vez em finais e chega ao tri em Wimbledon

Em revanche de 2014, número 1 do mundo volta a superar rival e consegue nono título de Grand Slam na carreira; suíço perde chance de ser maior campeão isolado

Neste domingo, Novak Djokovic comeu grama pela terceira vez na vida. Literalmente. Com o tricampeonato conquistado em Wimbledon, após a vitória sobre Roger Federer, o sérvio voltou a saborear a grama sagrada após o fim do confronto e celebrou uma série de feitos: foi sua nona conquista de Grand Slam e, também, a 200ª vitória em jogos de torneios deste quilate. Além disso, o número 1 do mundo chegou à 10ª vitória sobre Federer em decisões. Com 3 sets a 1, parciais de 7/6(1), 6/7(10), 6/4 e 6/3 em 2h56, ele tirou do suíço a chance de se tornar o maior vencedor isolado no mais tradicional campeonato do circuito de tênis, se mantendo com sete conquistas – mesmo número do americano Pete Sampras e do britânico William Renshaw. Djokovic ainda empatou o confronto direto entre eles, chegando a 20 vitórias em 40 encontros.

Novak Djokovic come grama após fim do jogo em Wimbledon 2015 (Foto: Reuters)
Novak Djokovic come a grama após decidir o título contra Federer em Wimbledon (Foto: Reuters)

– Primeiro de tudo, eu tenho que dizer que é um grande desafio jogar contra Roger. Uma porção de jogadores da minha geração olham para ele como uma referência no tênis – disse o campeão antes de receber o troféu.

A chave do jogo foram os erros não forçados de Federer – 35 contra 16 de Djokovic. O suíço assumiu os riscos do confronto e errou demais, sobretudo nos golpes de backhand, apesar de também ter conquistado um alto número de winners (58 a 46). Num jogo parelho e decidido nos detalhes, valeu a eficiência do número 1 do mundo, que salvou seis break points ao todo, e com uma quebra de vantagem, decidiu o terceiro set, conquistando mais duas quebras no quarto set para chegar à vitória.

– Novak jogou bem, ele tem jogado muito bem não só hoje como toda a última semana, esse ano, o ano passado…Eu não joguei tão mal também, mas acontece. Estou feliz comigo mesmo. Ainda estou motivado para continuar jogando. É mais uma vez um privilégio jogar aqui, estando de volta numa final. Lógico que gostaria de ter ganhado, mas Novak fez um bom trabalho hoje – afirmou Federer, afastando qualquer chance de se aposentar por enquanto.

Cada vez mais absolutos no circuito, Federer e Djokovic fizeram a quarta decisão entre eles apenas nesta temporada. A primeira foi vencida pelo suíço no ATP de Dubai, em fevereiro, por 2 sets a 0. O sérvio deu o troco e conquistou o Masters 1000 de Indian Wells, por 2 sets a 1, e o Masters 1000 de Roma, com 2 sets a 0 no jogo decisivo.

Novak Djokovic x Roger Federer - final de Wimbledon 2015 (Foto: Reuters)

Novak Djokovic com a taça de campeão de Wimbledon de 2015 (Foto: Reuters)

O jogo

Federer começou com o saque afiado, sem dar chances para Djokovic crescer em seus games. Enquanto isso, ia dificultando as ações quando o sérvio tinha o saque. No sexto game, abriu um triplo break point e conseguiu uma boa quebra na devolução, abrindo 4/2 no set. O troco veio em seguida. Os saques não entraram com a perfeição anterior, e o número 1 do mundo se aproveitou dos erros de Federer para diminuir a vantagem com a quebra e confirmar logo depois, empatando em 4/4. Com 6/5 a seu favor, Federer ainda teve duas oportunidades de quebra para fechar o set, mas Djokovic manteve bem o saque e, com um ace, confirmou para levar a decisão ao tie-break. O sérvio saiu na frente com 3-0 e seguiu dominando com boas trocas no fundo de quadra para fechar em 7-1 após uma dupla falta de Federer.

Novak Djokovic x Roger Federer - final de Wimbledon 2015 (Foto: Reuters)
Djokovic se irrita e puxa a própria camisa após perder o segundo set (Foto: Reuters)

O confronto seguiu equilibrado no segundo set e iniciou com os tenistas confirmando seus serviços sem maiores problemas. No quinto game, Federer buscou teve duas chances de quebra, ambas salvas pelo sérvio. Depois, foi a vez de Djokovic ter sua chance, no décimo game, com break e set point, mas desperdiçou com um erro não forçado. O suíço confirmou em sequência, empatando em 5/5. Federer ainda teve mais uma chance de quebra no game seguinte, mas também errou jogando a bola na rede após uma longa troca. A decisão do set seguiu, mais uma vez, para o tie-break.

Federer, dessa vez, foi quem começou com um minibreak. No entanto, o sérvio devolveu com dois pontos consecutivos e reverteu a vantagem para 2-1. Djokovic anotou mais um com seu saque, fazendo 3-1, mas Federer foi buscar um lindo ponto, diminuindo para 3-2. O número 1 do mundo voltou a conquistar um ponto no saque do rival e fechou a série de Federer ainda em vantagem, por 4-3. Encaixando seus saques, Djokovic abriu mais dois pontos, com 6-3. Mas, Federer conseguiu uma ótima recuperação e salvou os três set points, empatando a disputa. O suíço ainda seguiu salvando set points em 7-6, 9-8 e 10-9. Depois de anotar duas miniquebras, Federer sacou com 11-10 a favor e fechou num saque e voleio para empatar a disputa. Foram seis set points salvos pelo suíço apenas no game desempate.

Novak Djokovic x Roger Federer - final de Wimbledon 2015 (Foto: Reuters)
Roger Federer lamenta uma de suas chances desperdiçadas na partida (Foto: Reuters)

Se Djokovic levava a melhor nas longas trocas de bola, o domínio da rede era todo de Federer, que começou salvando duas chances de quebra do adversário com bons saques e boas subidas. No entanto, o sérvio cresceu na disputa e seguiu pressionando o saque do rival para conseguir a quebra no terceiro game, com um erro de Federer no voleio. O jogo foi paralisado por conta de uma garoa que caiu em Londres, mas prosseguiu cerca de 20 minutos depois. Djokovic seguiu defendendo bem e confirmando seus serviços até fechar o terceiro set com um belo smash em 6/4.

Os seguidos erros não forçados de Roger Federer decidiram mais uma vez. No quinto game, o suíço errou de backhand para ceder o break point e foi quebrado após uma devolução na rede. A vantagem estava estabelecida: 3/2 para Djokovic, o que colocou ainda mais pressão no número 2 do mundo. Em seu serviço seguinte, novamente Federer esteve em apuros e salvou duas oportunidades de quebra. O sérvio seguiu confirmando seus saques e, com 5/3 de vantagem, pressionou o saque de seu rival uma vez mais. Com 15/40 e duas chances de quebra, o número 1 do mundo fez a festa de vez ao concluir o ponto com um belo voleio na rede.

Confira também

Análise: Inter supera susto, fica a um ponto da liderança e dá peso de final para jogo com São Paulo

A sexta vitória seguida do Inter no Brasileirão – novo recorde do técnico Abel Braga …