Brasil conquista ouro e bronze em 4 dias de Universíade

O Brasil chegou ao quarto dia de competições nas Olimpíadas Universitárias 2015 (Universíade), em Gwangju, na Coreia do Sul, com uma medalha de ouro e outra de bronze, conquistadas nesse domingo (5). Na natação, Henrique Martins venceu a final dos 50m borboleta e colocou a bandeira verde e amarela no lugar mais alto do pódio. Já o judoca Gustavo Assis foi bronze na categoria até 90 kg.

Medalhista de prata com o revezamento 4x100m livre, há quatro anos na China, o paulista Henrique Martins, de 23 anos, voltou ao campeonato universitário com um único objetivo: ganhar uma nova medalha. Finalista da prova com o segundo melhor tempo no geral, o atleta da Unisul simplesmente “voou” na decisão e ganhou o ouro com o tempo de 23.22, 0.22 a frente do bielorusso Yauhen Tsurkin.

“Depois da eliminatória, vimos que dava para ganhar esta medalha de ouro. Procuramos ajustar algumas coisas antes da final, meu técnico me deixou mais tranquilo e acabou dando tudo certo. Conquistei a medalha e fiz um ótimo tempo”, destaca Henrique, que conta sua evolução desde a prata em 2011. “A principal diferença é a experiência. Aqui, eu sabia tudo o que tinha que fazer. Entrei focado para competir e vencer. Lá era tudo muito novo, era minha primeira competição. Estava maravilhado com a Vila, fiquei deslumbrado com tudo” recorda o nadador, que ainda disputará em Gwangju (COR) as provas dos 50m e 100m livre, 50m costas e 100m borboleta.

No judô, coube ao estreante Gustavo Assis, de 20 anos, manter a trajetória vitoriosa da equipe brasileira na modalidade. O mineiro da Faculdade Pitágoras, campeão da Liga de Desporto Universitário de Lutas, competição organizada pela CBDU que valeu vaga para a Universíade 2015, alcançou o bronze após derrotar adversários do Quirguistão, Lituânia, Uzbequistão e República Tcheca. A única derrota foi para Khasan Khalmurzaev, da Rússia, que posteriormente levou o ouro.

“Foi uma luta dura, um adversário (o tcheco David Klammert) que já conhecia, com um estilo tradicional europeu, mas eu o estudei com meus técnicos e consegui encaixar um golpe perfeito”, conta o brasileiro, que ficou surpreso com a competição na Coreia do Sul. “Não imaginava esse tamanho. Já havia ouvido falar na Universíade, mas quando cheguei aqui foi um baque. Está sendo muito legal”, complementa.

E por pouco a seleção brasileira de judô não conseguiu mais medalhas no domingo. Amanda Oliveira (até 70 kg) e Rafael Macedo (até 81 kg) chegaram a brigar pelo bronze, porém caíram na decisão. Nesta segunda-feira (06.07), no entanto, o dia foi atípico para a modalidade: Eleudis Valentim (até 52 kg), Marcelo Fuzita (até 66 kg) e Igor Pereira (até 73 kg) chegaram a ir para repescagem, porém não progrediram e se despediram da competição nas disputas individuais.

Confira também

Palmeiras e Flamengo decidem hoje Libertadores

Chegou o dia. Palmeiras e Flamengo decidem na tarde deste sábado quem será tricampeão da …