Professores aceitam proposta da Justiça e encerram greve da rede estadual

Os professores da rede estadual de ensino acataram proposta de conciliação apresentada pelo TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e decidiram pôr fim à greve, deflagrada em 27 de maio. Eles estão reunidos em assembleia-geral que ocorre neste momento na sede da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande.

Segundo a entidade, 58 municípios optaram pelo fim da greve, enquanto 14 queriam continuar com a paralisação. As aulas na rede estadual retornam na segunda-feira (8).

As negociações foram retomadas neste mês, quando o governo propôs integralização do piso estadual ao nacional até 2021, com reajuste de 4,32% em outubro deste ano, o que foi rejeitado pela categoria. Os professores exigiam 10,98% de reajuste e que a equiparação do piso terminasse em 2018. Sobre o reposição questionada pela categoria, o governo estadual afirma que os servidores já receberam o reajuste, uma vez o ex-govenrador do Estado, André Puccinelli antecipou a data-base para dezembro de 2014 e, por isso, os professores já receberam o aumento.

O TJMS (Tribunal de Justiça), inclusive, entende que o governo de Mato Grosso do Sul antecipou em dezembro reajuste salarial a servidores públicos, inclusive da área de educação. Na visão do Judiciário, as reivindicações atuais dos professores estão sendo feitas fora do prazo.

Ontem, o Judiciário convocou uma reunião de conciliação e apresentou sugestão de integralização até 2021, com repasse de 4,37% em outubro de cada ano.

Mais cedo, professores de cada cidade se reuniram em assembleias municipais. Ao menos 60% dos sindicatos já haviam adiantado que concordavam com a proposta e sinalizavam fim da greve – apenas 14 entidades eram contra e 44 favoráveis ao fim da paralisação.

Confira também

“Ameaça” de Arroyo ajudou PF em investigação

Mais de seis anos depois da indicação e confirmação de Osmar Jeronymo como conselheiro do …