Pai de menino morto ao cair de prédio suspeita que houve assassinato

Baseado na perícia, o pai do menino de 10 anos, que morreu ao cair do 13º andar do prédio Torre de Ibiza, na Via Parque, em novembro de 2011, descarta completamente a tese de suicídio. No começo do mês, a Justiça absolveu duas pessoas acusadas de jogá-lo. A família pediu a reabertura da ação por homicídio qualificado dizendo ter informações inéditas sobre o caso.

Segundo informações apuradas pelo Campo Grande News, a tese de homicídio foi levantada pelo MPE (Ministério Público Estadual), que ofereceu representação contra dois moradores do edifício com base, a princípio, em relatos passados pela irmã da vítima. Porém, a testemunha negou, diante do juiz, ter visto qualquer tipo de movimentação estranha.

Isso fez com que a promotora Vera Aparecida Bogalho, responsável pela abertura do processo, opinasse pela improcedência da ação. Diante disso, o magistrado Mauro Nering Karloh absolveu os acusados.

Contudo, o pai da vítima afirma que a filha sofreu grande pressão durante a oitiva e nega que ela tenha desmentido a versão de que os vizinhos entraram no apartamento.

“No dia da audiência, houve gritos e ameaças. Ela não falou nada com nada. A mãe dela estava presente, mas foi advertida de que não poderia intervir”, afirma. O comerciante relata ainda que a promotoria fez a representação não apenas com base no testemunho da adolescente, mas também em uma nova perícia que teria sido feita após o inquérito.

Entretanto, a sentença não menciona qualquer tipo de prova além daquelas divulgadas durante as investigações. Segundo o pai da vítima, o laudo não aponta para suicídio e encerra-se de forma inconclusiva, tanto que o caso foi entregue ao Ministério Público como “morte a esclarecer”.

“O que foi levantado pela perícia não caracterizava suicídio. A janela no quarto do meu filho não tinha tela, mas ele caiu de uma janela minúscula. Se a pessoa quer se matar, busca a facilidade. Quando fizeram o laudo, não acharam vestígio de impressão digital na faca encontrada ao lado da janela e nem vestígio da tela na faca”, afirma.

Nering inocentou os acusados e ainda abriu margem para que o MPE, caso queira, represente contra a adolescente por denunciação caluniosa. A promotora responsável, Vera Aparecida Bogalho, não quis comentar o processo, já que ele corre em segredo de Justiça.

Confira também

Membros do PCC são presos com cocaína enterrada em casa em cidade do interior

Dois criminosos, membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) foram presos por policiais da delegacia …