Ministro George Hilton elogia investimento da CBC no esporte paraolímpico

De olho no futuro do esporte brasileiro, a Confederação Brasileira de Clubes (CBC) abriu oficialmente, na noite desta sexta-feira (29.05), em Florianópolis, o congresso da entidade. Durante a abertura, o ministro do Esporte, George Hilton, ressaltou o engajamento dos clubes sociais em ações que vão da base à revelação de atletas de alto rendimento. “Na pirâmide da construção de um Sistema Nacional de Esporte, eu diria que os clubes formadores são a base principal. Investir nos clubes é investir exatamente no planejamento estratégico de médio e longo prazo”, disse George Hilton.

O Congresso Brasileiro de Clubes é o evento mais importante do segmento clubístico no país. A novidade deste ano ficou por conta do lançamento do 5º Edital Interno de Projetos de Recursos das Loterias Caixa, prevista na Lei Pelé (12.395/11).

Poderão ser apresentados projetos para aquisição de equipamentos e materiais esportivos focados nas modalidades olímpicas e paraolímpicas. O edital inova ao promover um incentivo aos que investirem no paradesporto: para cada real investido em modalidade paraolímpica, o clube receberá 50% do valor para ampliar os recursos do desporto olímpico.

O presidente da CBC, Jair Pereira, explica que a entidade faz um trabalho para sensibilizar os clubes a trabalharem com o esporte paraolímpico. “Tudo isso é possível porque os clubes de todo o país estão se preparando fisicamente, administrativamente e tecnicamente para que os recursos sejam realmente voltados para a formação de atletas. É importante o Brasil se tornar uma potência olímpica. Mas, além do resultado no esporte, esperamos também o resultado nos seres humanos”, frisou Jair Pereira.

Serão disponibilizados R$ 24,5 milhões para as modalidades olímpicas, R$ 16,5 milhões para as paraolímpicas e R$ 8,2 milhões como extras para os clubes que investirem no desporto paraolímpico.

No Brasil, os clubes sociais, historicamente, são os principais responsáveis por revelar talentos no esporte. Nas Olimpíadas de 2008, em Pequim, 77% dos atletas brasileiros tinham como origem os clubes. Em Londres-2012, esse número subiu para 87%.

“A nova etapa da CBC vai ampliar a formação de atletas paraolímpicos. Isso é o que existe de mais nobre e positivo e me deixa ainda mais apaixonado pelos clubes formadores de todo o país. Vamos formar atletas paraolímpicos. Isso é inclusão social, respeito, dignidade e, sobretudo, cuidar das pessoas”, ressaltou o ministro George Hilton.

Congresso Brasileiro de Clubes
Representantes de clubes do país participam até domingo (31.05) do Congresso Brasileiro de Clubes para trocar informações e avançar na gestão das entidades. O evento conta com a presença de cerca de 600 pessoas, entre presidentes e diretores de clubes, autoridades, atletas e personalidades de destaque no esporte para capacitação de gestão.

Governo federal parceiro dos clubes
Por reconhecer o papel dos clubes na formação e na revelação de atletas, principalmente no desenvolvimento do esporte de base, o Ministério do Esporte já celebrou 15 convênios diretamente com essas instituições. Foram contemplados cinco clubes do país, num investimento total de R$ 17,8 milhões. Os aportes de recursos passaram de R$ 4,5 milhões, em 2010/2011, para R$ 13,2 milhões em 2013, o que representou um crescimento de mais de 200%.

Em 2011, uma mudança na Lei Pelé incluiu a CBC como beneficiária de 0,5% do total da arrecadação das loterias da Caixa. Desde o início de 2014, orientada por Portaria do Ministério do Esporte, a CBC passou a se estruturar e coordenar a distribuição dos recursos públicos para os clubes.

Confira também

Tenista italiano ameaça árbitro em discussão após derrota: “Eu te mato”

Número 317 do mundo, o italiano Giulio Zampieri, algoz do brasileiro Felipe Meligeni nas oitavas, …