Com cortes, Funsat prevê economia de até R$ 800 mil com salários

Após a série de cortes nas gratificações e demissões de funcionários comissionados, a Funsat (Fundação Social do Trabalho) prevê uma economia de até R$ 800 mil nos gastos com pessoal para este ano. Se levado em conta o valor de R$ 1,2 milhão desembolsado até abril deste ano com a folha de pagamento, a pasta poderia gastar até R$ 3,6 milhões até o final de 2015. Porém, projeção apresentada pelo diretor-presidente da Fundação, Cícero Ávila, prevê um gasto de R$ 2,8 milhões.

“A redução de custeio vai propiciar isso. É uma projeção factível, para se trabalhar nessa perspectiva mesmo”, disse, durante oitiva da CPI das Contas Públicas, na tarde desta segunda-feira (1), na Câmara Municipal.

Cícero foi ouvido durante duas horas pelos vereadores que compõem a CPI: Eduardo Romero, Vanderlei Cabeludo, Airton Saraiva, Thais Helena e Paulo Pedra. Segundo ele, a determinação para o corte de gastos foi dada no início do ano. Inicialmente, foi feita uma adequação nas gratificações dos servidores e, depois, 20% dos servidores comissionados foram demitidos.

“Mesmo com as dificuldades, fizemos os cortes necessários, conversamos com os servidores para que não tivéssemos perda na qualidade do serviço. Primeiro cortamos 20% dos valores dos cargos, depois, 20% dos cargos. Houve redução de salário e demissões. Se o orçamento está curto, você precisa desligar a luz, economizar papel”, comparou.

Em 2011 e 2012, a Funsat tinha 73 cargos, entre estagiários, efetivos e comissionados. No ano seguinte, o número subiu para 76 e, em 2014, chegou a 80. Neste ano, após os cortes, são 76 funcionários que atuam na Fundação novamente. Destes, 19 são comissionados.

Salto – A folha de pagamento da Funsat, estável entre 2012 e 2013, cresceu 29% em 2014, segundo dados apresentados pelo diretor-presidente. Foram R$ 2,2 milhões nos dois primeiros anos, contra R$ 2,9 milhões em 2014. As despesas da Fundação também aumentaram no período: passaram de R$ 3,9 milhões para R$ 4,5 milhões.

“Houve a mudança da administração em março de 2014. Todas as indenizações daquele momento foram colocadas nesta folha. Foi R$ 59 mil o valor. Herdamos, também, uma gratificação de R$ 489 por pessoa dada em novembro do ano anterior. São 35 atendentes. Pessoas que ganham entre R$ 800 e R$ 1.100 que tiveram uma gratificação meritória e justa. Nós batalhamos para que essa gratificação se mantivesse em 2014, pois é aquele servidor que ganha menos e tem que atender bem o trabalhador que chega”, justificou.

CPI – A CPI foi criada no último dia 5 de maio, com 10 assinaturas: Paulo Pedra, Thais Helena, Cazuza, Luiza Ribeiro, Chiquinho Telles, Alex do PT, José Chadid, Ayrton Araújo do PT, Eduardo Romero e Chocolate.

A Comissão tem como objetivo investigar se o aumento de 40,34% na folha de pessoal da Prefeitura ocorreu por aumentos salariais praticados pelas gestões anteriores ou devido à nomeação de comissionados por parte do atual prefeito Gilmar Olarte.

Além disso, vai investigar quanto da receita de folha de pessoal é destinada aos comissionados nomeados durante a gestão do prefeito, bem como se estão efetivamente trabalhando e se os recursos destinados ao pagamento destes estão atingindo sua finalidade.

Por fim, saber se houve realmente redução na arrecadação do município, principalmente com relação ao ICMS, IPTU, ISS.

Confira também

Prefeitos decidirão sobre Carnaval, diz governador

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), declarou nesta sexta-feira (26), que …