Relatório mostra médicos com remuneração de até R$ 42 mil na Capital

Relatório da Secretaria Municipal de Administração, apresentado à imprensa nesta quarta-feira (6), demonstra que a remuneração dos médicos responde 13,8% da folha de pagamento de todo o funcionalismo municipal. Tomando referência o mês de março, a remuneração da categoria soma R$ 15 milhões, numa folha que atingiu R$ 108 milhões.

O levantamento revela, somando salário-base, gratificações e plantões, que alguns profissionais chegaram a receber mais de R$ 30 mil (valor restrito de 19 médicos), dois ultrapassaram os R$ 40 mil, um deles atingindo mais de R$ 42 mil. Um grupo de 193 médicos, correspondente a 18,62% de todo o contingente, recebeu remuneração variável entre R$ 15 e R$ 42 mil, assim distribuídos: 87 ganharam entre R$ 15 e R$ 19 mil; 30 , em torno de R$ 19 mil e 76 acima de R$ 20 mil.

Dos 1.500 médicos que estavam na folha de pagamento da Sesau, 750, ou seja, 72% do quadro, receberam mais de R$ 4.900; 500 acima de R$ 8 mil e 250 mais de R$ 13.600,00. Estes números foram apresentados pelo secretário de Administração, Wilson do Prado, que deixou claro não haver interesse da Prefeitura de estabelecer uma linha de confronto com os médicos, “uma categoria que exerce um papel social fundamental e merece todo o respeito e consideração por parte da administração municipal”.

O objetivo de tornar públicas estas informações, conforme o secretário, é apenas para “esclarecer à sociedade” que não é procedente a informação difundida nos meios de comunicação pelo Sindicato dos Médicos, de que a remuneração dos médicos está limitada ao salário-base de R$ 2.516,72 por uma jornada de 20 horas semanais. “Este é o caso dos profissionais com apenas um vínculo empregatício com a Prefeitura (eles podem ter dois) que optaram por não fazer plantões. É um número restrito de profissionais, que não precisam cumprir a jornada diária de 4 horas nos postos, desde que atinjam a cota de 20 consultas, Em suma, o médico é que faz a sua remuneração,conforme a jornada de trabalho que escolher”, apontou Prado.

Até o mês passado, os médicos tinham a opção de fazer até 28 plantões (14 por vínculo), o que lhes garantia uma remuneração variável entre R$ 15.816,00 (para quem fizesse 14 plantões) e R$ 29.119,72 (se optasse pelos 28 plantões). Mesmo com a limitação a 14 plantões por CPF, adotada a partir de abril, este mesmo profissional tem a oportunidade receber até R$ 15.816,00. “Esta medida não por economia, mas porque se constatou ser impraticável que profissionais tivesse plantões de 12 horas praticamente todos os dias nas unidades 24 horas e ainda cumprirem 4 ou 8 horas de jornadas nas unidades básicas”, observou o secretário.

Confira também

Com pandemia e home office, MPMS gastou R$ 1,4 milhão em diárias em 2020

Em ano de pandemia com adoção do regime de teletrabalho, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) …