Prefeitura da capital adota medidas para garantir funcionamento dos Ceinfs nesta sexta

Diante do movimento grevista parcial de 1.200 funcionários terceirizados, a Prefeitura de Campo Grande já está adotando medidas para garantir o pleno funcionamento dos 100 Centros de Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino. Segundo o secretário Municipal de Administração, Wilson do Prado, se os funcionários não voltarem imediatamente ao trabalho serão substituídos. “Não vamos admitir que quase 14 mil crianças matriculadas na educação infantil sejam prejudicadas”, destaca o secretário, que interinamente ocupa também a Secretaria de Educação.

Uma das reivindicações dos funcionários, a redução da jornada de trabalho de 7 para 6 horas já foi aceita pelas entidades empregadoras, com o aval da Prefeitura. “Isto na prática significa um aumento salarial indireto”, explica Wilson do Prado. Já em relação ao reajuste salarial de 9% que está sendo reivindicado, o secretário garante que não é possível atender a reivindicação por traria um impacto financeiro mensal de R$ 900 mil para o município. “Diante do momento financeiro atual que estamos enfrentando, é impraticável reajuste os contratos com as entidades nesta proporção”, observa.

O secretário lembra que a Prefeitura não tem vínculo empregatício com estes terceirizados que são funcionários da Seleta Caritativa e Humanitária e da OMEPE (Organização Mundial para a Educação Pré-Escolar), entidades que tem contratos com o município para o fornecimento de mão-de-obra empregada nos CEINFS e CRAS . O contrato com a OMEPE tem um custo mensal de R$ 2,8 milhões e com a Seleta, R$ 3 milhões.

Confira também

Veículos com placa final 0 tem até dia 31 de outubro para quitar licenciamento

Outubro é o ultimo mês do calendário de licenciamento para o exercício 2021. Os proprietários de …