População paga a conta dos erros do governo com “tesourada” recorde, criticam tucanos

O corte de R$ 69,9 bilhões no Orçamento, anunciado no fim da semana passada, foi considerado por parlamentares do PSDB mais um golpe contra a sociedade. A tesourada afeta investimentos e a área social e não poupa sequer a saúde e a educação. Para os tucanos, o governo está jogandoMosaico para população a conta dos seus próprios erros. Nas palavras do presidente nacional do partido, senador Aécio Neves (MG), “essa conta não é do povo, é do governo do PT, mas é o povo que a está pagando.”

O contingenciamento afetou em cheio o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), com um corte de R$ 25,7 bilhões, o que representa 39,1% das verbas previstas no Orçamento para o programa. Desse total, R$ 5,6 bilhões são do Minha Casa, Minha Vida. Os ministérios das Cidades, Saúde, Educação e Transportes responderam por 63% da tesourada. Na “Pátria Educadora”, a Educação sofreu corte de R$ 9 bilhões e haverá redução de vagas para o Pronatec.

Os cortes fazem parte do pacote de medidas que o governo usa para tentar “dar jeito no desarranjo econômico que o primeiro governo de Dilma Rousseff legou ao atual”, como ressalta o Instituto Teotônio Vilela, órgão de articulação política do PSDB. Como ressalta o ITV, as maiores vítimas da tesoura foram os investimentos públicos e os ministérios que lidam com a área social, uma demonstração de que “o ajuste revela-se, cada vez mais, de péssima qualidade.”

Para o deputado Marco Tebaldi (SC), a soma de cortes com aumento de impostos e redução de direitos trabalhistas e previdenciários promovidos por Dilma é consequência do estelionato eleitoral que a petista praticou para conseguir a reeleição. Ela sabia da grave situação econômica do país causada por sua pífia administração e não quis reverter os problemas antes. Em nenhum momento, o governo do PT sinalizou que pudesse cortar na carne e reduzir regalias.

“Só precisa fazer o ajuste porque ela administrou mal no passado e esse ajuste jamais poderia ter sido feito somente em cima do trabalhador”, critica o deputado. Em sua avaliação, primeiro o governo deveria mostrar interesse e cortar gastos, ministérios e cargos. Mas, faz tudo errado. “É um governo mentiroso, e que mais uma vez tira de onde não deveria, que é do bolso do trabalhador, para manter uma máquina enorme e conseguir se sustentar”. aponta.

Confira também

Vereador executado em Ponta Porã será velado neste sábado

O vereador por Ponta Porã, Farid Afif (integrante do então partido DEM que se transformou …