Pista de Atletismo da UFG, em Goiânia, é a 15ª da Rede Nacional de Treinamento a ser entregue

A pista de atletismo da Universidade Federal de Goiás (UFG) é a 15ª a integrar a Rede Nacional de Treinamento que está sendo estruturada pelo governo federal em todo o país. Com investimento de R$ 8,6 milhões do Ministério do Esporte para as obras de reforma, o equipamento foi reinaugurado nesta sexta-feira (22.05), em Goiânia, pelo ministro George Hilton.

“A Rede Nacional de Treinamento vai permitir que os atletas tenham equipamentos de última geração, para que eles alcancem uma alta performance e estejam preparados para competir em eventos nacionais e internacionais. Nós queremos levar a rede para todo o país e as universidades são parceiras, porque elas nos permitem a concretização da obra, a gestão e a manutenção do espaço”, explicou Hilton.

Com oito raias, a pista da UFG foi projetada para obter certificação classe 2 da IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo, na sigla em inglês). O ministro destacou que o equipamento é um dos legados dos Jogos Rio 2016. “É importante essa sinergia entre os governos federal, estadual e municipal. Vejo que este é o momento de fortalecer o esporte no país, principalmente na base. Ter essa parceria com as universidades é fundamental para construírmos um Sistema Nacional do Esporte. Esse é um dos grandes legados que ficará dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos e queremos ampliar outros equipamentos pelas universidades”, afirmou.

O reitor da UFG, Orlando Amaral, ressaltou as transformações pelas quais a universidade passou nos últimos anos. “Com o apoio do governo federal podemos afirmar que avançamos muito em termos de infraestrutura e acadêmicos. Este é um equipamento fundamental para o atletismo e marca uma mudança nas possibilidades de formação de estudantes, treinamento de atletas de alto rendimento e significa prática esportiva para a comunidade interna e externa”.

A pista também servirá para os demais cursos da universidade, que conta com mais de 20 mil alunos. São quase mil matrículas em Educação Física nos campus de Goiânia, Jataí e Catalão. Segundo a diretora da faculdade, Anegleyse Rodrigues, além dos estudantes, a pista atende, por semestre, a 40 atletas de alto rendimento e a formação de dez treinadores. Por semana, 150 pessoas das comunidades vizinhas usam o espaço, além de 40 atletas em fase de preparação para competições.

“O benefício deste equipamento no campo da pesquisa, ensino e extensão é imenso. A qualidade desta pista fomenta o interesse na ciência do esporte, o aprimoramento de técnicas de treinamento e dos resultados dos nossos atletas. É um equipamento que beneficia toda a sociedade”, comentou Rodrigues.

Além das instalações já entregues, pelo menos outras 30 pistas de atletismo farão parte da Rede Nacional de Treinamento. Algumas delas estão em estágio avançado de obras, outras em fase de elaboração de projetos e outras em processo de licitação. Em geral, as pistas podem abrigar provas de corrida, saltos (em altura, distância e triplo), arremesso de peso e lançamentos de dardo, martelo e disco.

Em parceria com governos estaduais e municipais, universidades, clubes, federações e com a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), o governo federal repassa recursos do Orçamento Geral da União e via Lei de Incentivo ao Esporte para obras, equipagem e operação das pistas.

Confira também

Copa Assomasul realiza última etapa da 1ª fase no sábado com 6 equipes em busca da classificação

A última etapa da 1ª fase da Copa Assomasul será realizada no sábado (02), no …