Acordo assegura retomada dos atendimentos e cirurgias na Santa Casa

Acordo firmado no início da tarde desta quinta-feira (7/5) pela Santa Casa, prefeitura de Campo Grande e governo do Estado vai assegurar a retomada dos atendimentos ambulatoriais de média complexidade, parados desde terça-feira (5), e a não suspensão das cirurgias eletivas, que estava prevista para a próxima segunda-feira (11).

A reunião, convocada pela presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, deputada Mara Caseiro (PTdoB), aconteceu na sala da presidência. Pelo acordo, a prefeitura de Campo Grande permanecerá repassando R$ 3 milhões à Santa Casa até o dia 31 de maio, sendo R$ 2,5 milhões para média complexidade e R$ 500 mil para a alta complexidade.

Após esse período, comissão formada por membros da prefeitura, governo e Santa Casa vai apresentar um relatório de fiscalização do fluxo de serviços e finanças do hospital. Só então o governo estadual se comprometeu em destinar aporte financeiro à instituição, sem valor ainda definido.

Depois do dia 31 de maio, quando o relatório estiver finalizado e o governo do Estado definir o valor que poderá repassar à Santa Casa, será celebrado um contrato definitivo.

A diretoria do hospital quer que esse contrato tenha duração de 5 anos, com valores corrigidos pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Porém, ainda não há acordo sobre a quantia a ser repassada, e tudo só será conversado em definitivo após o término desse contrato temporário.

Na opinião da deputada Mara Caseiro, a reunião foi extremamente positiva, uma vez que, até o momento, as conversações estavam travadas e nenhuma das partes cedia.

“Isso vinha prejudicando a população de todo o Estado, que depende dos serviços do maior hospital de Mato Grosso do Sul. Fico feliz por termos trazido essa discussão para dentro da Assembleia e ter acontecido esse consenso, com todos assumindo suas responsabilidades”, declarou a parlamentar.

A deputada também ressaltou a importância de uma discussão ampla a respeito das competências de cada ente federado no que diz respeito à saúde. “Também temos que discutir a Lei do Rateio, o Saúde + 10, além do reajuste da tabela do SUS, que são assuntos de extrema importância para a nossa população. Vamos trazer esse debate para dentro da Casa, e vamos cobrar o governo federal, que precisa assumir a sua responsabilidade também nessa questão”, afirmou.

Participaram da reunião o presidente da Santa Casa, Wilson Teslenco, o 1º secretário, Heitor Rodrigues Freire, o 1º tesoureiro, Gete Ottano da Rosa, o assessor jurídico da instituição, Carmelino Resende, o superintendente do hospital, Roberto Madid, o 2º secretário, Mário Cavinato, o superintendente da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande), Virgílio Gonçalves de Souza Júnior, o diretor de Relações Institucionais e Saúde da Sesau, Antônio Lastória, os deputados estaduais Felipe Orro (PDT), Antonieta Amorim (PMDB), Professor Rinaldo (PSDB) Lidio Lopes (Pros), Cabo Almi (PT) e Amarildo Cruz (PT), a representante do Ministério Público, Filomena Fluminhan, o secretário adjunto de Saúde do Estado, Lívio Viana de Oliveira Leite, o representante do Conselho Municipal de Saúde, Sebastião Júnior, além de representantes da Câmara de Vereadores da Capital.

Confira também

Sabatina de Mendonça pode ser resolvida na CCJ, diz Pacheco sobre impasse

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco(DEM-MG), afirmou nesta quarta-feira (13) que acredita que o impasse …