Prefeitura de Campo Grande alerta para prevenção da dengue e da febre chikungunya

No Dia Mundial da Saúde, a Prefeitura Municipal de Campo Grande alerta a população para a prevenção de doenças como a dengue e a febre chikungunya. Ambas são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, que se reproduz facilmente em ambientes com água parada e sem limpeza adequada.

De acordo com o responsável pela Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV) da Secretaria municipal de Saúde (CCZ), Alcides Ferreira, o alerta é necessário porque a maior parte dos focos encontra-se nas residências, o que revela o descuido do munícipe com a própria saúde. “Temos um índice alarmante, onde 80% dos focos são encontrados em residências, por isso pedimos a colaboração de toda a população para o combate ao mosquito”, explica. Portanto, é fundamental que cada um faça a sua parte e mantenha protegidos os possíveis locais de criadouro do transmissor.

Além da conscientização dos habitantes quanto a prevenção, agentes de saúde continuarão com as visitas domiciliares e a executarem as ações específicas em todos os quarteirões onde foram encontrados focos. “É um trabalho ininterrupto, mas ainda assim, é a conscientização do morador que faz a diferença no combate à doença, desde a limpeza das próprias residências a não destinação de lixo em terrenos baldios”, explica Alcides.

Mutirão de combate à dengue

O novo mapeamento da dengue, apontado pelo Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (Lira), divulgado no último dia 16 de março, indicou as regiões da cidade com maior incidência do mosquito. A partir daí, a Prefeitura de Campo Grande retomou uma grande mobilização para a eliminação de focos do inseto – os mutirões de combate à dengue.

Esta ação consiste no recolhimento de lixo e entulhos domiciliares que podem ser criadouros dos insetos e conta com 60 agentes de saúde, duas máquinas retroescavadeiras e dois caminhões caçamba. Para a realização, cada domicílio recebe visita de um agente de saúde que, além de vistoriar o ambiente em busca de focos do mosquito, alerta o morador para métodos de limpeza e também para indicação dos materiais que podem ser descartados.

Em dezembro de 2014, o mutirão já atendeu as regiões do Guanandi, Vila Jacy e Taquarussu. Desde março, a prefeitura atua nas regiões do Noroeste, Cidade Morena, Nova Lima e Moreninhas. Moradores de outras regiões com infestação receberão em breve notificação sobre o cronograma da ação de combate a dengue.

Dengue e Chikungunya

Em todo o mundo, existem quatro tipos de dengue, já que o vírus causador da doença possui quatro sorotipos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Mas em Campo Grande circulam apenas os tipos 1, 2 e 3. Cada pessoa pode contrair um tipo da doença. A proliferação do mosquito da dengue é causada pelo acúmulo de água parada.

A febre Chikungunya é transmitida pelos mesmos mosquitos transmissores da dengue e da febre amarela. Os sintomas da febre são parecidos com os da dengue, exceto pelas fortes dores nas articulações. Se as dores durarem até 10 dias, a febre é considerada aguda; se durar de 10 dias até três meses é considerada subaguda e se durar acima deste período é classificada como crônica. “As dores podem durar até três anos e, além disso, pode [a doença]deixar lesões irreversíveis nas articulações”, informa Márcia.

Os principais grupos de risco da febre são os recém-nascidos, crianças e idosos, sendo que a letalidade para os recém-nascidos pode chegar a 50%. No entanto, a taxa de mortalidade é menor que o da dengue, que é de 2%, contra 1% da chikungunya.

Como se prevenir da dengue e da febre chikungunya
Mantenha a caixa d’água sempre fechada com tampa adequada.
Mantenha bem tampados tonéis e barris d’água.
Remova folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas.
Se você tiver vasos de plantas aquáticas, troque a água e lave o vaso com escova, água e sabão pelos menos uma vez por semana.
Não deixe a água da chuva acumulada sobre a laje.
Encha de areia até a borda os pratinhos dos vasos de planta.
Lave semanalmente por dentro, com escovas e sabão, os tanques utilizados para armazenar água.
Guarde garrafas sempre de cabeça para baixo.
Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada. Não jogue lixo em terrenos baldios.
Entregue seus pneus velhos ao serviço de limpeza urbana ou guarde-os sem água, em local coberto e abrigados da chuva.

Confira também

Publicada decisão que adia medidas mais restritivas contra pandemia

Atendendo pedido da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul), a Secretaria de …