Jeferson Bezerra – Radar – 06 de abril de 2015

Desleixo

O PT e o DEM perderam o direito de veicular as suas propagandas partidárias regionais no rádio e televisão durante todo o ano de 2015 porque perderam o prazo para o requerimento que deveria ter sido feito durante o ano de 2014. A Justiça eleitoral divulgou no dia 25 de Março a decisão negando o pedido.

Os dois são considerados partidos grandes e não poderiam jamais cometer um desleixo desse. Cabeças vão rolar!!

Papai Noel

A Anhanguera Educacional recebeu da Prefeitura Municipal um presente de natal antecipado de 2% de redução do ISS durante 05 (cinco) anos pelo programa de incentivos do PRODES. É sem dúvida um presente das arábias considerando o valor a ser pago de ISS pela instituição. Detalhe, o incentivo incide até mesmo para os alunos matriculados na Central de Ensino à Distância. Até parece que está sobrando dinheiro na prefeitura.

Os milhões da informática

É de arrepiar pena de coruja os valores pagos às empresas de informática que prestam serviços ao governo do estado. Os empenhos de pagamento para empresas como a Itel Informática, Digithobrasil Soluções em software, PSG, H2L, entre outras, movimentam milhões todo mês, e nos levam a questionar como estão sendo auditados os contratos de modo a não permitir fraudes e desvios do dinheiro público. Os termos dos contratos são genéricos e não permitem uma fiscalização por parte da sociedade. Assim, o Ministério Público necessita fazer um acompanhamento fino da execução desses contratos. Vamos lá MP!!

Defunto saindo da cova

O prefeito Gilmar Olarte firmou contrato de R$ 581.400,00 em caráter emergencial, ou seja, sem licitação, para a manutenção, administração, conservação e limpeza dos cemitérios públicos municipais, sendo o valor de R$193.800,00 por mês durante o prazo de 90 dias. Dizem que tem até defunto saindo da cova, assustado com o valor do contrato.

Pelo visto, o tempo passa, o tempo voa e não é só a poupança bamerindus que continua numa boa.

Opaco

Observando o Portal da Transparência da Câmara Municipal de Campo Grande é possível concluir que os vereadores continuam sem dar a devida importância aos eleitores da cidade. Com relação aos contratos, por exemplo, já estamos em Abril e o site não traz nenhuma informação acerca dos contratos firmados no ano de 2015. Também com relação ao ano de 2014, e anteriores, as informações são mínimas. O Ministério Público deveria cobrar a publicação dos empenhos pagos durante todo o ano, senão a tão propalada transparência fica muito opaca. Fica a dica.

Sem transparência

Outra questão nebulosa e opaca nos portais de transparência dos poderes executivos e legislativos do Mato Grosso do Sul, diz respeito à verba publicitária repassada aos órgãos de comunicação do estado. Como a verba é repassada às agências de publicidade e propaganda e elas repassam aos veículos de mídia, o cidadão não consegue acessar quanto cada veículo de comunicação está recebendo. Ou seja, a transparência é zero nesse quesito. As agências deveriam publicar os valores individuais que cada um está levando. Essa blindagem prejudica o cidadão no exercício de seu direito.

Confira também

Prováveis adversários na disputa pelo governo, André e Riedel se encontram na Assembleia

Eventuais candidatos ao governo de Mato Grosso do Sul, o ex-governador André Puccinelli (MDB) e …