Jardim que precisa de 120 ml de água ao ano é alternativa diante de crise

Em tempos de economia de água, cultivar plantas é quase um luxo do qual muitos abriram mão diante das constantes reduções dos níveis dos reservatórios e da falta de chuva que atingiram principalmente o Sudeste do país.

Se tamanho não for um problema, cultivar terrários pode ser uma alternativa para quem não abre mão de ter um “verdinho” em casa. Sem precisar de água abundante para sobreviver – alguns necessitam de algumas gotas por mês – esses minijardins ainda ocupam pouco espaço.

Há opções de terrários abertos e fechados, que funcionam como uma espécie de microecossistema e sobrevivem praticamente sozinhos. Ambos são criados dentro de um recipiente – normalmente de vidro –, com camadas de terras e areia.

A “pequena empresa” Jardim no Pote foi criada antes do agravamento da crise hídrica, por uma arquiteta e uma naturopata, mas hoje chama atenção dos consumidores também pelo apelo sustentável dos produtos. Os valores variam de acordo com o tamanho, com as plantas – musgos e bromélias – e com os cenários criados em cada um deles, caso o cliente queira um. Os preços dos minijardins partem de R$ 35, mas podem chegar a R$ 250.

Confira também

General Eduardo Pazuello é confirmado como ministro da Saúde

O governo federal confirmou nesta segunda-feira, 14, que o general da reserva do Exército Eduardo …