CPI da Petrobras atende pedido do PSDB para ouvir delator de propina milionária no caso SBM-Petrobras

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, anunciou que a oposição irá a Londres ouvir o ex-diretor da empresa SBM Offshore que acusa a Controladoria-Geral da União (CGU) de ter abafado uma denúncia de pagamento de US$ 139 milhões em propinas por meio de contratos da Petrobras para favorecer a candidatura da presidente Dilma Rousseff. A CPI da Petrobras aprovou nesta terça-feira (14) requerimento do deputado Antonio Imbassahy (BA) para que o ex-diretor Jonathan David Taylor preste depoimento ao colegiado. Em entrevista à “Folha de S. Paulo”, o executivo disse que, durante a campanha eleitoral de 2014, o governo Dilma recebeu provas de que a empresa holandesa pagou propina para fazer negócios com a Petrobras, mas só abriu processo contra a empresa em novembro, após a reeleição da presidente. O tucano considera a denúncia gravíssima.

“Esse fato que tomamos conhecimento sugere que a CGU omitiu uma informação gravíssima. Isso precisa ser investigado e, se comprovado, pode sim levar a um processo de impedimento da presidente”, alertou.

De acordo com a reportagem, as provas foram encaminhadas entre agosto e outubro de 2014 para a Controladoria-Geral da União, que só anunciou a abertura de processo contra a SBM em 12 de novembro, 17 dias após o segundo turno da eleição. O montante da propina teria chegado a US$ 139 milhões, entregues ao lobista Julio Faerman para que conseguisse contratos com a petroleira.

O jornal afirma que Taylor prestou depoimento e entregou mil páginas de documentos internos da empresa ao órgão de fiscalização do governo brasileiro. O material teria sido recebido por Hamilton Cruz, diretor de Acordos e Cooperação Internacional do órgão. Segundo ele, a CGU teria escondido a denúncia de suborno para beneficiar o PT e a campanha de Dilma à reeleição.

“Houve uma manobra junto à CGU para que ela não fizesse as investigações e sequer dissesse à população brasileira que havia essa documentação. É muito estranho, pois o órgão existe exatamente para combater a corrupção”, avalia Imbassahy. Para ele, é evidente que o assunto chegou ao Palácio do Planalto.

“O então ministro Jorge Hage tinha ligação direta com a presidente. Impossível que isso tenha sido negligenciado se não para evitar que o assunto viesse à tona no período eleitoral, podendo mudar o resultado das eleições”, apontou o deputado, ao defender a convocação do ex-ministro e dos técnicos da CGU que estiveram com o ex-diretor da SBM e receberam os documentos.

O parlamentar destaca que, se ficar comprovado que o principal órgão de controle do governo federal se calou por razões políticas, nenhum argumento poderá impedir um pedido de impeachment.

A alegação de que o crime, caso confirmado, não ocorreu no atual mandato não será suficiente. “Essa alegação é como dizer que ela podia roubar até 31 de dezembro do ano passado e depois disso ser uma grande presidente. Não é isso que diz a Constituição. Esse é o argumento de quem não tem mais como se defender”, concluiu.

Para Aécio Neves, a CGU prevaricou, pois recebeu as informações que justificaram a abertura de processo investigativo e nada fez no tempo oportuno. “Jamais assistimos na história do Brasil ao uso tão irresponsável e sem limites do Estado para um projeto político e de poder. As respostas estão sendo dadas nas ruas em todo o país”, declarou.

Confira também

Câmara de Jardim aprova por unanimidade aumento de repasse para UTIs do Hospital Marechal Rondon

Em sessão extraordinária presidida pelo vereador Glaucio Cabreira (PSDB), realizada na manhã desta quinta-feira (17), …