Comércio eletrônico: Simone Tebet comemora aumento de recursos para MS

A senadora Simone Tebet (PSDB-MS) disse que a Emenda Constitucional 87, que estabelece mudanças na distribuição do ICMS do comércio eletrônico vai beneficiar o Mato Grosso do Sul com aumento de arrecadação sem alterar a cobrança do imposto para o consumidor. A Emenda foi promulgada pelo Congresso Nacional nesta quinta-feira (16).

“A medida é da mais alta relevância. Permite começarmos a corrigir distorções tributárias. A partir do próximo ano, o Mato Grosso do Sul será beneficiado com o acréscimo de recursos de cerca de R$ 16 milhões por mês. Até 2019, o aumento será de R$ 40 milhões por mês. Isso representa 8% de incremento na nossa arrecadação”, comemorou a senadora. Esses recursos poderão ser ser investidos em saúde, educação, infraestrutura, etc.

Simone destacou que a medida foi aprovada no Senado por unanimidade e, antes, teve o apoio integral do Confaz, que reúne todos os Secretários Estaduais de Fazenda do Brasil. Após há cinco anos de tramitação no Congresso, a medida foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e no Plenário no mesmo dia.

Para a senadora sul-mato-grossense, a Emenda representa uma melhor distribuição de recursos entre os estados, beneficiando especialmente os menos desenvolvidos. “É ainda uma gota no oceano em relação à reforma tributária, mas é um primeiro passo para o novo Pacto Federativo”, disse.

A Emenda corrige a distorção tributária que permitia o recolhimento de todo o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) devido com as transações comerciais por internet ou por telefone exclusivamente pelo estado no qual a loja virtual está sediada, geralmente em grandes centros urbanos, como São Paulo e Rio de Janeiro. Até agora, o estado de residência do comprador, ou de destino da mercadoria, não recebia qualquer participação no imposto cobrado.

A alteração ocorrerá de forma escalonada. Inicialmente, a arrecadação do ICMS sobre produtos e serviços adquiridos a distância será dividida entre os estados comprador e vendedor. A regra de transição estabelece que, em 2015, 20% da alíquota irá para o destino e 80% para a origem; 40% para o destino e 60% para a origem em 2016; 60% para o destino e 40% para a origem em 2017; 80% para o destino e 20% para a origem em 2018; e 100% para o destino em 2019.

Simone Tebet estima que daqui a quatro anos, o Mato Grosso do Sul terá incremento de arrecadação da ordem de R$ 600 milhões. Ela elogiou o relator da matéria, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE). “Acima de tudo essa Emenda pacifica os conflitos. Quantas vezes compradores tiveram a mercadoria retida no Estado de destino por causa da disputa em relação à arrecadação da parcela do ICMS. Então, além dos estados, quem ganha é a população”, disse, lembrando que cerca de metade dos consumidores já fez compras pela internet.

Confira também

Câmara de Jardim aprova por unanimidade aumento de repasse para UTIs do Hospital Marechal Rondon

Em sessão extraordinária presidida pelo vereador Glaucio Cabreira (PSDB), realizada na manhã desta quinta-feira (17), …