Vereador tenta justificar viagem de prefeito de Campo Grande em jatinho de empresário

O presidente da Câmara Municipal, vereador Mario Cesar (PMDB), prefere manter cautela sobre a viagem do prefeito Gilmar Olarte (PP) e sua esposa, Andréia Olarte, em jatinho do empresário João Baird para Brasília, na quarta-feira (11).

“Não sei qual foi a emergência. De repente está passando mal. Tem que ver em que situação se deu isso. Às vezes precisaria ir a Brasília com emergência para assinar um projeto, não tem um voo de carreira, não tem nada, quem que me socorre? Eu socorro, vai lá”, defende Mario.

A postura do presidente do Legislativo Municipal difere da adotada pelos vereadores da oposição, que prometeram apresentar, já na segunda-feira (16), um pedido de investigação contra o prefeito, por aceitar favores de um empresário doador de campanhas políticas e prestador de serviço para a Prefeitura.

“Não vou fazer nenhum juízo de valor, porque isso pode acontecer com qualquer um. De repente, eu preciso de uma emergência”, disse. Para o peemedebista, antes de uma investigação por ato de improbidade administrativa, como querem os vereadores da oposição, é preciso apurar todos os detalhes da viagem.

“O nosso universo em Campo Grande não é o universo de Rio (de Janeiro) ou São Paulo, onde você tem oportunidades, é um universo de relacionamento muito diminuto. Pode ter sido pago com dinheiro dele. Não sei qual modelo de negócio eles fizeram”, finaliza Mario Cesar.

Confira também

Sabatina de Mendonça pode ser resolvida na CCJ, diz Pacheco sobre impasse

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco(DEM-MG), afirmou nesta quarta-feira (13) que acredita que o impasse …