Senadora Simone Tebet defende fim da reeleição

A Senadora Simone Tebet (PSDB-MS) defendeu o fim da reeleição para cargos do Executivo. “Houve um momento em que a reeleição foi necessária para consolidar a democracia no País. Hoje, ela é vista como um expediente que estimula o governante/candidato a adotar medidas populistas, muitas vezes, danosas à economia, comprometendo o mandato seguinte. Sem contar que pode contribuir para a corrupção eleitoral”, opinou. Ela falou durante sessão no Plenário do Senado, nesta terça-feira (24), em aparte à senadora Gleisi Hoffmann, que falava sobre a Reforma Política.

Para Simone, as mudanças aprovadas no Congresso devem acompanhar a vontade do povo brasileiro, especialmente em relação à redução do custo das campanhas e ao combate à corrupção.

Veto ao aumento do Fundo Partidário
Simone Tebet apoiou a iniciativa dos senadores contrários ao aumento de quase 200% do Fundo Partidário. Eles encaminharam ofício à presidente Dilma Rousseff solicitando o veto ao acréscimo orçamentário para que os recursos do Fundo passem a R$ 867,6 milhões em 2015, ampliando o montante em mais de R$ 578 milhões. Em 2014, o Fundo Partidário recebeu R$ 289,6 milhões do Orçamento.

Menos Ministérios
Simone Tebet acompanha a defesa de seu partido, o PMDB, pela redução de 39 para 20 Ministérios. A senadora acredita que o Governo Federal precisa demonstrar que também está fazendo cortes na sua estrutura e não apenas penalizando a população com aumento de impostos e propostas de redução dos direitos trabalhistas. Simone defende um amplo debate entre Legislativo e Executivo para que as ações necessárias do ajuste fiscal não prejudiquem o trabalhador brasileiro. “É preciso o Governo gastar menos em aluguéis, água, combustível, viagens, reduzir custeio, enfim, demonstrar que também está tendo sua parcela de esforço para reencontrar o equilíbrio econômico”, afirmou.

Confira também

Depois de Ciro Nogueira, Bolsonaro é cobrado por mais cargos em ministérios

BRASÍLIA — A entrada do principal partido do Centrão no núcleo duro do governo dividiu …