Para deputados, governo Dilma está perdido e não sabe como conter insatisfação popular

Parlamentares do PSDB avaliam que faltou autocrítica e sobraram velhas promessas na pífia reação do governo federal aos protestos que levaram mais de 2 milhões de pessoas às ruas neste 15 de março. Após assistir a maior manifestação popular desde as Diretas Já com duras críticas ao seu governo e clamor por combate severo à corrupção, a presidente Dilma perdeu a oportunidade de dar uma imediata satisfação à sociedade, fazer um mea-culpa e apresentar soluções reais aos problemas causados aos brasileiros por sua própria gestão. Preferiu acionar ministros, que em entrevistas coletivas no domingo deram declarações fora de sintonia com os anseios das ruas. Apenas na tarde desta segunda-feira a petista tocou no assunto, mas sem apresentar novidades.

Panelaço de novo – O líder do partido na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP), disse que o discurso do governo é “alienado, arrogante e afronta a sociedade”. Repetindo a mesma cantilena ditada por Dilma em 2013, após os protestos de junho daquele ano, José Eduardo Cardozo (Justiça) e Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência) anunciaram medidas “anticorrupção” e falaram em reforma política.

Para o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), as falas dos ministros na noite de domingo foram “patéticas”. Os ministros, segundo ele, foram à TV falar como “se estivesse em outro planeta”. Na avaliação do tucano, o governo deve se desculpar após tomar medidas que vão de encontro ao prometido na campanha.

Na opinião do deputado Betinho Gomes (PE), o governo está “completamente desorientado” e tentou apresentar um mesmo receituário para uma crise que só cresceu. “É mais do mesmo”, criticou. “Esta é a hora de a presidente falar como estadista, apontar rumos. Mas o governo não consegue dar uma solução concreta aos problemas que eles mesmos criaram. Naturalmente o descrédito e desconfiança só aumentam”, avaliou nesta segunda-feira (16), ao prever que as manifestações populares devem continuar.

Ao contestar as afirmações de que os protestos teriam sido realizados apenas por eleitores que não votaram em Dilma, o parlamentar ressaltou: “O que tivemos foram cidadãos brasileiros cobrando respostas para os problemas do país. Com certeza entre estes estava muita gente arrependida por ter votado nela”.

Confira também

Prováveis adversários na disputa pelo governo, André e Riedel se encontram na Assembleia

Eventuais candidatos ao governo de Mato Grosso do Sul, o ex-governador André Puccinelli (MDB) e …