No seu dia, mulheres comemoram a liberdade de escolha para não engravidar

Desde meados de 1960, no dia 8 de março, é comemorado o Dia Internacional da Mulher. A data é símbolo de uma série de direitos e reivindicações alcançados por elas. Entre as conquistas da mulher ao longo dos anos, está o poder de escolha em diversos aspectos como o de decidir por não ter filhos. Neste sentido, usuárias do serviço público de saúde no Brasil já podem ter acesso ao Essure, novo método definitivo de contracepção feminina, minimamente invasivo e que dispensa cortes e anestesia, permitindo à paciente retomar suas atividades no mesmo dia.

Até pouco tempo restrito a consultórios e instituições particulares, o Essure hoje pode ser facilmente encontrado nos Programa de Planejamento Familiar nos seguintes hospitais: Hospital das Clínicas de São Paulo (SP), Hospital Maternidade Interlagos (SP), Hospital e Maternidade Ipiranga (SP), Hospital Pérola Byington (SP), Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (SP), Hospital da Mulher Mariska Ribeiro (RJ), Hospital Materno Infantil (DF), em toda a rede pública de Parauapebas (PA) e hospitais de Palmas, Gurupi, Porto Nacional e Araguaína (TO).

Além destes Estados, já houveram casos de Essure registrados em Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Norte e Santa Catarina. No Brasil, há registros de mais de 5 mil mulheres que colocaram Essure desde 2008 e mais de 1 milhão no mundo.

O Essure tem eficácia comprovada de 99,8% e passou a ser mais conhecido no Brasil por conta de sua eficiência e praticidade, sem apresentar os riscos de uma laqueadura cirúrgica. O método definitivo de contracepção veio também ao encontro da necessidade de reduzir as longas filas de espera para laqueadura na rede pública. Estima-se que o tempo de espera é de um ano e muitas pacientes acabam engravidando nesse período.

O detalhe é que muitas mulheres ainda não têm acesso à informação adequada. O primeiro passo é dirigir-se a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da residência e se inscrever no Programa de Planejamento Familiar. As mulheres recebem orientações sobre todos os métodos disponíveis para fazerem sua escolha pelo método ideal, após avaliação médica das condições é que há a indicação para receber o procedimento Essure.

Como funciona o método

Essure é um microimplante macio e flexível, de apenas quatro centímetros, em titânio e níquel (materiais que apresentam excelente compatibilidade com o organismo) que, introduzido pela vagina por um equipamento extremamente fino (histeroscópio), é colocado em cada uma das tubas uterinas.

O tempo de colocação do método é estimado em apenas cinco minutos, o que possibilita livre mobilidade da paciente cerca de 30 minutos depois do procedimento. Dessa maneira, não compromete atividades pessoais ou profissionais da paciente, sendo desnecessário o afastamento ou licenças.

Nas semanas que se seguem ao procedimento, o corpo e os microimplantes trabalham juntos para formar uma barreira natural que impede o espermatozoide de alcançar o óvulo. Por esse motivo, durante os três primeiros meses, a paciente continua a utilizar outra forma de contracepção. Após este período, é realizado exame de imagem da pelve e, confirmada a oclusão, não é mais necessário o uso de outro método contraceptivo.

O procedimento também é especialmente indicado para mulheres que apresentam efeitos adversos a outros métodos contraceptivos e que não desejam mais ter filhos, além de ser também uma excelente opção para as mulheres que apresentam alguma patologia que aumente os riscos cirúrgicos como hipertensão, cardiopatia, obesidade, entre outras.

Mais informações sobre o método em: www.commed.com.br

Confira também

Operação prende vereador e policiais no Rio

Uma operação conjunta do Ministério Público Estadual (MPRJ), da Polícia Civil e da Corregedoria da …