CUT Nacional e Dieese fazem análise de conjuntura na FETEMS

Os movimentos sociais, que compõe o Fórum Unitário da Classe Trabalhadora do Campo e da Cidade de Mato Grosso do Sul, preocupados com a conjuntura nacional, se unirão a movimentação nacional e também realizarão em Campo Grande, na próxima sexta-feira (13), um grande ato em defesa da democracia, da Petrobrás e pela Reforma Política.

No sentido de organizar a ação e debater sobre o porque a classe trabalhadora precisa tomar as ruas, o Fórum, juntamente com a Central Única dos Trabalhadores de MS (CUT/MS), realizou na manhã desta quarta-feira (11), um debate sobre a conjuntura nacional com o secretário geral da CUT Nacional, Sérgio Nobre e com Leandro Horie, técnico do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) da subseção da CUT.

Em sua explanação o secretário geral da CUT Nacional deixou claro que as manifestações do dia 13, que acontecerão em todas as capitais brasileiras, combaterão o retrocesso e qualquer golpismo com o objetivo de acabar com a normalidade democrática no país. “Queremos alertar a sociedade brasileira, principalmente a classe trabalhadora, que precisa ficar atenta e sempre se questionar, fazendo a comparação das diversas propostas políticas que existem hoje”, afirma.

Sérgio Nobre disse ainda que o momento é de união dos movimentos sociais
organizados. “Unidos nós não vamos deixamos de questionar a política econômica que o Governo Federal está aplicando neste momento e cobraremos mudanças nos rumos, para que continuemos avançando na geração de renda, valorização do emprego e desenvolvimento, mas jamais vamos permitir que a onda conservadora tome o poder, pois sabemos os retrocessos que isso trará ”, disse.

O técnico do DIEESE explanou para os movimentos sobre a realidade econômica do país, embasado em dados de pesquisas do Instituto e deixou claro que por mais que o momento seja delicado, muitos avanços já se consolidaram. “As medidas anunciadas pelo Governo Federal infelizmente não contornam os dilemas de financiamento, mas não podemos negar que nesses últimos anos houve um avanço significativo em nossa economia e que sabíamos que este seria um ano de crise internacional, principalmente por conta dos ciclos do sistema capitalista”, conclui.

Após a explanação de debate dos dois convidados os movimentos terminaram de se organizar para o ato do dia 13, que será a partir das 9hs, na Praça do Rádio, em Campo Grande – MS.

Confira também

CNH MS Social: programa de habilitação gratuita já tramita na Assembleia Legislativa

O Projeto de Lei 297/2021, que institui o programa estadual CNH MS Social, já tramita …